sábado, 28 de março de 2015

Algoritmo da vida

Algoritmo da vida

A vida soprou-me no primeiro choro
em Maio no primeiro dia ...
longe da terra que seria minha
na terra que um dia me veria

A vida levou-me para a mãe África
uma mãe mágica, musical, quente...
cresci absorvendo a sua seiva
e sua sabedoria gravei na mente.

A vida com as suas voltas retorcidas
fez-me voltar à terra onde a vida me soprou
longe da terra que era a minha
mãe África que no passado ficou

A vida fez-me provar a escassez,
a injustiça, o desencanto e impotência
A vida fortaleceu-me de de mim fez
guerreira contra as suas adversidades.

A vida trouxe-me desamor
acompanhado por dois grandes amores
A vida trouxe-me uma grande dor...
Meu filho, metade de mim já sem vida.

Maria do Resgate Salta

segunda-feira, 23 de março de 2015

Raio de arco-íris............



A macia alma foi-se
vestindo de farrapos,
agrestes e cinzentos,
costurados pelas dores.

Nela existe o belo,
num canto ao sol nascer
raio de arco-íris,
fazendo a alma sorrir.

(com Nuno Salta e Sano Ogawa)

Maria Resgate Salta

quinta-feira, 19 de março de 2015



Meu querido pai,

Hoje, no calendário, é o teu dia. Mas para mim foste e és o meu pai todos os dias.
Sei que, apesar de a nossa educação estar a cargo da mãe, te preocupavas e estavas a par de tudo. Mesmo querendo fazer as nossas vontades nunca a desautorizavas à nossa frente.
Lembras-te da história da mota? Como eu queria a mota! Mas a mãe, com aquela preocupação infinita, que quase todas as mães têm, era contra. Mas tu, com o teu jeitinho persuasivo, conseguiste convecê-la sem nós assistirmos a essas conversas.
Lembro-me das nossas refeições, onde quase sempre nos fazias perguntas sobre a matéria que estávamos a estudar (histótia, geografia, português.....) e eu aprendia contigo aquilo que, por desleixo ou desinteresse meu, não tinha estudado.
Lembro-me das tuas infindáveis anedotas.____algumas com "gindungo" e do teu espírito de Coimbra que te acompanhou durante a vida.
Lembro-me dos teus escritos sempre a pensar que mudarias o mundo____para melhor!
Mais tarde, quando o meu filho nasceu e cresceu até falar e compreender o que dizias, arranjaste um parceiro para partilhares toda a sabedoria que guardavas e o teu gosto pela música clássica.
Com o meu Nuno adorava estar contigo e com a avó Bia.
Adoro-vos meus pais e meu filho! Agora estão os três juntos na caminhada de luz e paz!

quarta-feira, 18 de março de 2015

Microliteratura__________ Amigo(a)


1.

Na desventura fria
que a vida arrefece
o brilho quente,
a palavra doce,
o abraço firme
do Amigo
reacende e aquece
a esperança em nós.


2.

Hoje vi uma Amiga
abracei-a com carinho
agradecida
por viajar até mim
num momento de escuridão.
O seu brilho iluminou-me!


(dedicado à Filomena Castro ♥)

3.

 Perfeita magia
que suporta vendavais, furacões
e mesmo nas tempestades
continua a amizade.
Amigo que sorris sabendo que os espinhos têm rosas!

4.

Um dia chorei
porque perdi um amigo.
Um dia chorei
porque descobri que não era amigo.
Um dia chorei
com saudades do amigo que nunca o tinha sido.


5.

A melodia
que nos ergue...
O toque
que nos emociona...
A confiança
que nos une...
Amigo é sempre.


6.

Folha invisivelmente pintada
com as cores do abraço..
Ser e estar no preciso momento
Amigo e amizade num laço.


7.

A nota do piano
que nos toca o coração...
O quente fio de oiro
que aquece a palavra...
Amigo é sentido
que abraça a nossa dor.


8.

É sombra,
é abrigo
é bonança na tempestade
e abundância na escassez...
Amigo,
quase uma raridade!


9.

Uma voz quente
na palma da mão
oferta o coração
ao Amigo carente.


10.

Na memória estás,
no coração vives.
És filho, és amor, és amigo,
saído do ventre da mãe
para seres sua luz
no universo da tua vida.


(dedicado a todas as mães que perderam seus filhos)

MRS
    

segunda-feira, 16 de março de 2015

A tua ausência dói-me.......................

A tua ausência dói-me

Quero dizer-te uma coisa simples: a tua ausência dói-me.

Refiro-me a essa dor que não magoa, que se limita à alma; mas que não deixa, por isso, de deixar alguns sinais - um peso nos olhos, no lugar da tua imagem, e um vazio nas mãos, como se as tuas mãos lhes tivessem roubado o tacto.

São estas as formas do amor, podia dizer-te; e acrescentar que as coisas simples também podem ser complicadas, quando nos damos conta da diferença entre o sonho e a realidade.

Porém, é o sonho que me traz a tua memória e a realidade aproxima-me de ti, agora que os dias correm mais depressa, e as palavras ficam presas numa refracção de instantes, quando a tua voz me chama de dentro de mim - e me faz responder-te uma coisa simples...

Como dizer que a tua ausência me dói.

Nuno Júdice


Meu querido filho,

A tua ausência dói-me profundamente na alma. O tempo nunca conseguirá apagar nem atenuar esta dor. Só a morte que, um dia, fará dar a última batida do meu coração e meu corpo ficar inerte para sempre, me libertará desta dor!
Já se passaram 33 meses que a morte te levou. A tua ausência física dói-me mas a presença da tua alma ilumina os meus dias, dáme forças para viver e conseguir sorrir.
A tua ausência dói-me....quanta saudade de te ouvir, ver, abraçar e sentir a tua alegria nos variados momentos________ahhhh o SLB! Como ficarias feliz com as suas vitórias e tão triste com as suas derrotas. No sábado imaginei-te a subir as escadas e, com um sorriso de felicidade, correres para o telefone para falares com a tua querida avó Bia. E lá ficarias a discutir o jogo, os lances, as faltas e a arbitragem. A tua avó percebia de futebol e eu ficava feliz por ti e por ela.
A tua ausência dói-me profundamente até ao meu fim!
Amo-te meu filho!

terça-feira, 10 de março de 2015

Amar no silêncio


Amar no silêncio:

Senti amor nas dores dos partos, senti amor na amamentação. Amor foi tão sentido nos seus primeiros dentes, palavras e passos. Senti amor nos seus primeiros dias de escola, senti amor nas suas dores e desilusões. Senti amor, tanto amor_______imenso amor na dor da morte que levou meu fillho. Sinto amor na dor da minha filha. Sinto amor nas suas alegrias e no seu riso. Sinto amor ouvindo a sua voz todos os dias. Sinto amor olhando a fotografia do meu filho que, emudecido, me fala ao coração. Sinto amor no silêncio da minha solidão pelos que nunca souberam o que era amar.

MRS

quarta-feira, 4 de março de 2015

Na imensidão do mar...................



Na imensidão do mar
recordo a minha terra...
Na imensidão de seu mar
ficaram alguns sonhos.

Na imensidão do mar
Cheiro a minha terra...
que a chuva vinha molhar
em tempestade passageira

Na imensidão do mar
chama-me a minha terrra...
um dia hei-de voltar
a Angola e dizer: sou tua!

MRS

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Se partiste, não sei....

"Se partiste, não sei.
Porque estás,
tanto quanto sempre estiveste.

Essa tua,
tão nossa, presença
enche de sombra a casa
como se criasse,
dentro de nós,
uma outra casa."
Mia Couto

Meu querido filho,

O tempo corre mas a um passo de lentidão. Por um lado, não te ter tem sido penoso pois o tempo sem ti é a lentidão sem significado do meu tempo como tua mãe mas, contado o tempo, já se passaram 32 meses desde que partiste.
Também como filha orfã vi o tempo fluir sem a minha mãe e tua querida avó Bia. Daqui a 3 dias faz 1 ano que ela partiu na esperança de te encontrar.
Sim, naquele fatídico dia a tua avó desistiu de viver. Ela que tanto se preocupava com todos e especialmente com os netos, não conseguiu encarar a tua morte física.
Desde aquele dia e até voltar a sua casa, a tua avó nunca mais veio a Vizela, mais precisamente à nossa casa. Faltavas tu.
Sim, ela desistiu de viver____ nunca mais ouviria a tua voz ao telefone após cada jogo o SLBenfica, nunca mais teria o mimo e carinho que era mútuo. Nunca mais veria o teu sorriso. Nunca mais te veria depois de tanta preocupação e de tanto pedir a Nª Senhora protecção para todos. A tua avó nunca mais foi a mesma e com o passar do tempo a sua desistência foi comprimindo a sua vontade de viver. Ela queria estar contigo.
Como eu também gostaria de estar contigo!
Mas sei que nunca aprovarias que eu desistisse pois, tal como eu, adoras a tua querida irmã.
Um dia, quando assim me estiver destinado, irei para junto de ti como gostaria: com o cheiro da terra molhada, com o gosto de chocolate na boca, com os sons dos poemas de Alda Lara e Mia Couto, com o toque da mão da minha querida filha e tua irmã na minha e com o olhar na nossa família.
E aí te encontrarei e aos meus pais Gabriel e Beatriz.
Amo-vos!

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Dor incalculável.....................

Entrou pela porta a dor incalculável
partilhada, somada entre os dois
que um dia formaram três.
Sem nada fazer sentido,
querendo dar ao passado o tempo
que gastou a trabalhar para proporcionar,
ao fruto da soma dos dois, o futuro que já ficou atrás.
A dor incalculável falava e estava muda,
a vida já sem vida era um dos seus amores.
Falei à dor incalculável as palavras ditas pela minha dor
levando um conforto que nunca chega
a quem sente a dor incalculável!
Hoje, neles, senti duplamente a dor, a perda.
Quis ir ao passado buscar o tempo
que se esvaiu no dia em que chegou
a dor incalculável!

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Meu querido filho



Meu querido filho,

Já se passaram 31 meses desde o dia que partiste para sempre. Tempo longo para mim e para todos os que sentem saudades tuas.
A vida leva-me por uma estrada onde, mesmo seguindo em frente pela tua irmã e por todos que fazem parte do meu destino, olho constantemente para trás. E nesses momentos estou contigo, meu menino.
Olhando para trás vi o dia 9 de Janeiro de 2009 quando Vizela se cobriu de um manto branco.
Neste dia que te fui chamar ao quarto para veres a neve cair...."branca e leve, branca e fria"....como diz o poema de Augusto Gil.
Vieste para o jardim com a máquina para registares o momento de tanta beleza. A neve caía e tu deliciado querias o tempo parado para o poderes desfrutar. Encheste a máquina fotográfica de brancura e de alegria.
E também ficaste aqui nesta imagem, parado no tempo, feliz com os flocos de neve que brandamente te tocavam.

"E uma infinita tristeza,
uma funda turbação
entra em mim, fica em mim presa.
Cai neve na Natureza
- e cai no meu coração."

A tua partida, como neve fria que caiu no meu coração, fez entrar a profunda tristeza que em mim ficou presa até ao fim da estrada da minha vida. Tantas saudades filho, tantas.
Amo-te!

domingo, 21 de dezembro de 2014

Natal......



Meu querido filho,

Escrevo-te hoje. Ainda faltam 4 dias para o Natal.
Sei que não estás aqui neste plano onde vivo. Sei que estás num lugar melhor. E aí não existe tempo, nem datas, nem comemorações. Aí só existe a plenitude espiritual.
Mesmo assim o teu espirito estará sempre ligado ao meu, ou melhor aos nossos.
É o terceiro Natal que não te teremos fisicamente e é o primeiro que não teremos a tua querida Avó Bia e minha mãe.
Apesar de não valorizares o Natal como data, sei que valorizavas o Natal como a oportunidade de estarmos todos juntos: nós, os avós, os tios e tias e as tuas primas. Sei como gostavas das piadas do teu avô Gabriel e mais tarde, depois de ele partir, das piadas e histórias do tio Tozé, da tia Carocha e das minhas.
Tu, quase sempre calado, sorrias e sentias-te feliz!
Nunca o nosso Natal foi luxuoso. Nem sequer a própria refeição. A tua Avó Bia cozinhava bem______tudo que ela fazia, mesmo simples, era delicioso______e como tu adoravas os seus cozinhados.
Hoje quis escrever-te pois ainda faltam 4 dias para o dia que irei sentir ainda mais saudades tuas_________ irei sentir ainda mais a tua ausência e a da tua avó.
Feliz Natal meu filho e Feliz Natal para os teus avós!
Beijo grande e carregado de saudades daqui para aí! Amo-te.

domingo, 16 de novembro de 2014

Amor infinito...................


Meu querido filho,

Mais um mês que partiste.......menos um mês que esperarei para me juntar a ti!
Hoje vou falar do teu tempo ainda como feto.
Sabes que vivíamos em Lisboa e eu trabalhava no Hospital de Santa Maria no serviço de Medicina IV.
O três primeiros meses foram "enjoados".....digo "enjoados" porque tu também devias estar enjoado de tanto enjoo e vómitos que eu tinha....não te lembrarias mais tarde, mas vendo bem tu desde muito pequeno enjoavas com qualquer mau cheiro, imagens mais "agressivas" e com alguns alimentos.
Depois veio o tempo da nossa relação mais calma e graciosa.....os teus primeiros pontapés, o meu ventre que crescia contigo e mais tarde a tua obstinação em não sair.
Nas quase 42 semanas de gravidez fiquei a conhecer algumas das tuas caracteristicas....a tua calma, serenidade e "alguma" teimosia (teimosia que cedia aos meus pedidos).
Durante a gravidez o meu pensamento já era de preocupação....se nada correria mal durante o parto, se serias saudável....se o teu crescimento se faria sem os precalços que qualquer mãe teme: os acidentes (qualquer tipo de acidente), as dependências em substâncias como a droga e o álcool e até o tabaco...já me preocupava até com o teu futuro mais longínquo...se conseguirias atingir os teus objectivos profissionais e seres um adulto realizado.
Devido ao estado avançado da gravidez as minhas colegas chamavam-me "a gravidíssima".
Quando chegou a hora de teres mesmo que nascer ainda renitente "encravaste" pelo caminho......como te devias estar a sentir bem aconhegado no meu ventre.
O instante do teu nascimento está aqui comigo, é único como é único o instante do nascimento da tua irmã .
Aquele instante foi só nosso apesar de estarmos rodeados de várias pessoas....tu e eu...tu o meu primeiro Amor infinito!
E depois vieram todas as alegrias que me concedeste e também as preocupações, ainda mais vincadas, que tive durante a gestação.
Foste sempre um bom menino, bom aluno, bom amigo e colega.
O tabaco, o álcool e as drogas não fizeram parte da tua vida.
O acidente.....esse maldito acidente que (a "angústia" que não me largou durante quase uma década era um presentimento) te levou para sempre.
Amo-te meu querido filho_____ eternamente.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014





Mãe é ter um amor infinto uma preocupação constante pelos seus filhos Mãe é a felicidade na realização da felicidade dos seus filhos Mãe foi, é e será sempre mãe e com o mesmo amor infinito do filho que Deus chamou Mãe é ter seus filhos gravados na carne e na alma eternamente.... Amo-vos meus filhos Nuno Salta e Sano Ogawa (Ana Rita) infinitamente. Sois mais importantes que a minha vida!

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Abre-se a janela.......


 Abre-se a janela.....

Abre-se a janela
entra o som da vida
e através dela
vejo a minha pequenez.

No rolar dos carris
as imagens correm
tanta terra, tanto país
somos tantos no viver.

Viagens divididas
coração em metade,
memórias vividas
na janela da maternidade.



Maria do Resgate Salta