quinta-feira, 16 de abril de 2015

Meu querido filho......

Meu querido filho,
O tempo que o tempo me deu
o tempo que o tempo me tirou
o tempo que passou num tempo
de felicidade, amor, ternura
Ah aquele infeliz tempo
tempo que já te tinha levado
para outro tempo onde não existe tempo
tempo que até ti me levou
num tempo de dor, tanta dor, imensa dor
que nem o tempo conseguirá apagar.
Ficou o tempo de dor e saudade
no tempo da vida que me resta.
Mais um mês no tempo sem ti,
menos um mês para o tempo de reencontro!


Amo-te meu filho!

quarta-feira, 15 de abril de 2015

terça-feira, 14 de abril de 2015

Para Ti.................................



Para ti me vesti
de verdes folhas
que dançam com o vento
falando-te de vida.

Adornei-me para ti
com brincos floridos
em tons de rosa e branco
as pétalas dão cor à vida.

Aqui estou para ti
Primavera meu amor,
para receber as tuas amigas
as aves que em mim repousam.

Maria do Resgate Salta

Tempo.....................




"Para um tempo que fica
Doendo por dentro
E passa por fora
Para o tempo do vento" .......

Ary dos Santos

sábado, 11 de abril de 2015

Um quase nada de céu..............................


Um quase nada de céu, eu tenho na minha mão,
porque é a única esperança consciente,
na eterna nostalgia.
Um quase nada de céu, eu tenho na minha mão,
porque os harmoniosos pensamentos
são destilados no lúcido alambique da vida.
Um quase nada de céu, eu tenho na minha mão,
ungido o alastrar resplandecente da manhã,
ao postigo de mais um dia.
Um quase nada de céu, eu tenho na minha mão
e quero partilhá-lo, dividi-lo, multiplicá-lo,
enchê-lo dos sábios deslumbramentos,
que são privilégios das artes.
Um quase nada de céu, eu tenho na minha mão,
mas vou soltá-lo no vento

Kim Berlusa

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Entre a paisagem e a memória


Entre a paisagem e a memória


Entre a paisagem e a memória
películas da minha vida
trespassam o pensamento
e tecem a minha história.

Vou buscá-las às estantes
onde as guardo ciosamente
Podem ser um minuto, um dia...
ou até segundos, mas importantes!

Vivo o que já vivi
Entre a paisagem e a memória...
recordo a felicidade que se foi
no dia em que pela metade morri.


Maria do Resgate Salta

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Páscoa


Páscoa...
minha infância,
ovos pintados,
decorados...
as amêndoas
de licor...
sexta-feira santa
só peixe e pouco mais..
a procissão
passo a passo,
silenciosa,
pesarosa...
Cristo morreu
e ressucitou, aleluia!
Mas ele morre
todos os dias,
nós matamo-lo
todos os dias...
E todos os dias
Ele ressucita
para nos perdoar.


Maria do Resgate Salta

sábado, 28 de março de 2015

Algoritmo da vida

Algoritmo da vida

A vida soprou-me no primeiro choro
em Maio no primeiro dia ...
longe da terra que seria minha
na terra que um dia me veria

A vida levou-me para a mãe África
uma mãe mágica, musical, quente...
cresci absorvendo a sua seiva
e sua sabedoria gravei na mente.

A vida com as suas voltas retorcidas
fez-me voltar à terra onde a vida me soprou
longe da terra que era a minha
mãe África que no passado ficou

A vida fez-me provar a escassez,
a injustiça, o desencanto e impotência
A vida fortaleceu-me de de mim fez
guerreira contra as suas adversidades.

A vida trouxe-me desamor
acompanhado por dois grandes amores
A vida trouxe-me uma grande dor...
Meu filho, metade de mim já sem vida.

Maria do Resgate Salta

segunda-feira, 23 de março de 2015

Raio de arco-íris............



A macia alma foi-se
vestindo de farrapos,
agrestes e cinzentos,
costurados pelas dores.

Nela existe o belo,
num canto ao sol nascer
raio de arco-íris,
fazendo a alma sorrir.

(com Nuno Salta e Sano Ogawa)

Maria Resgate Salta

quinta-feira, 19 de março de 2015



Meu querido pai,

Hoje, no calendário, é o teu dia. Mas para mim foste e és o meu pai todos os dias.
Sei que, apesar de a nossa educação estar a cargo da mãe, te preocupavas e estavas a par de tudo. Mesmo querendo fazer as nossas vontades nunca a desautorizavas à nossa frente.
Lembras-te da história da mota? Como eu queria a mota! Mas a mãe, com aquela preocupação infinita, que quase todas as mães têm, era contra. Mas tu, com o teu jeitinho persuasivo, conseguiste convecê-la sem nós assistirmos a essas conversas.
Lembro-me das nossas refeições, onde quase sempre nos fazias perguntas sobre a matéria que estávamos a estudar (histótia, geografia, português.....) e eu aprendia contigo aquilo que, por desleixo ou desinteresse meu, não tinha estudado.
Lembro-me das tuas infindáveis anedotas.____algumas com "gindungo" e do teu espírito de Coimbra que te acompanhou durante a vida.
Lembro-me dos teus escritos sempre a pensar que mudarias o mundo____para melhor!
Mais tarde, quando o meu filho nasceu e cresceu até falar e compreender o que dizias, arranjaste um parceiro para partilhares toda a sabedoria que guardavas e o teu gosto pela música clássica.
Com o meu Nuno adorava estar contigo e com a avó Bia.
Adoro-vos meus pais e meu filho! Agora estão os três juntos na caminhada de luz e paz!

quarta-feira, 18 de março de 2015

Microliteratura__________ Amigo(a)


1.

Na desventura fria
que a vida arrefece
o brilho quente,
a palavra doce,
o abraço firme
do Amigo
reacende e aquece
a esperança em nós.


2.

Hoje vi uma Amiga
abracei-a com carinho
agradecida
por viajar até mim
num momento de escuridão.
O seu brilho iluminou-me!


(dedicado à Filomena Castro ♥)

3.

 Perfeita magia
que suporta vendavais, furacões
e mesmo nas tempestades
continua a amizade.
Amigo que sorris sabendo que os espinhos têm rosas!

4.

Um dia chorei
porque perdi um amigo.
Um dia chorei
porque descobri que não era amigo.
Um dia chorei
com saudades do amigo que nunca o tinha sido.


5.

A melodia
que nos ergue...
O toque
que nos emociona...
A confiança
que nos une...
Amigo é sempre.


6.

Folha invisivelmente pintada
com as cores do abraço..
Ser e estar no preciso momento
Amigo e amizade num laço.


7.

A nota do piano
que nos toca o coração...
O quente fio de oiro
que aquece a palavra...
Amigo é sentido
que abraça a nossa dor.


8.

É sombra,
é abrigo
é bonança na tempestade
e abundância na escassez...
Amigo,
quase uma raridade!


9.

Uma voz quente
na palma da mão
oferta o coração
ao Amigo carente.


10.

Na memória estás,
no coração vives.
És filho, és amor, és amigo,
saído do ventre da mãe
para seres sua luz
no universo da tua vida.


(dedicado a todas as mães que perderam seus filhos)

MRS
    

segunda-feira, 16 de março de 2015

A tua ausência dói-me.......................

A tua ausência dói-me

Quero dizer-te uma coisa simples: a tua ausência dói-me.

Refiro-me a essa dor que não magoa, que se limita à alma; mas que não deixa, por isso, de deixar alguns sinais - um peso nos olhos, no lugar da tua imagem, e um vazio nas mãos, como se as tuas mãos lhes tivessem roubado o tacto.

São estas as formas do amor, podia dizer-te; e acrescentar que as coisas simples também podem ser complicadas, quando nos damos conta da diferença entre o sonho e a realidade.

Porém, é o sonho que me traz a tua memória e a realidade aproxima-me de ti, agora que os dias correm mais depressa, e as palavras ficam presas numa refracção de instantes, quando a tua voz me chama de dentro de mim - e me faz responder-te uma coisa simples...

Como dizer que a tua ausência me dói.

Nuno Júdice


Meu querido filho,

A tua ausência dói-me profundamente na alma. O tempo nunca conseguirá apagar nem atenuar esta dor. Só a morte que, um dia, fará dar a última batida do meu coração e meu corpo ficar inerte para sempre, me libertará desta dor!
Já se passaram 33 meses que a morte te levou. A tua ausência física dói-me mas a presença da tua alma ilumina os meus dias, dáme forças para viver e conseguir sorrir.
A tua ausência dói-me....quanta saudade de te ouvir, ver, abraçar e sentir a tua alegria nos variados momentos________ahhhh o SLB! Como ficarias feliz com as suas vitórias e tão triste com as suas derrotas. No sábado imaginei-te a subir as escadas e, com um sorriso de felicidade, correres para o telefone para falares com a tua querida avó Bia. E lá ficarias a discutir o jogo, os lances, as faltas e a arbitragem. A tua avó percebia de futebol e eu ficava feliz por ti e por ela.
A tua ausência dói-me profundamente até ao meu fim!
Amo-te meu filho!

terça-feira, 10 de março de 2015

Amar no silêncio


Amar no silêncio:

Senti amor nas dores dos partos, senti amor na amamentação. Amor foi tão sentido nos seus primeiros dentes, palavras e passos. Senti amor nos seus primeiros dias de escola, senti amor nas suas dores e desilusões. Senti amor, tanto amor_______imenso amor na dor da morte que levou meu fillho. Sinto amor na dor da minha filha. Sinto amor nas suas alegrias e no seu riso. Sinto amor ouvindo a sua voz todos os dias. Sinto amor olhando a fotografia do meu filho que, emudecido, me fala ao coração. Sinto amor no silêncio da minha solidão pelos que nunca souberam o que era amar.

MRS