terça-feira, 17 de abril de 2018

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Meu querido filho _________


Meu querido filho,

Faltam poucos dias para estar com a tua irmã no país do Sol Nascente.
Vai ser uma aventura e o realizar de um sonho meu. Um sonho que estava adormecido.
Sei que vou encontrar uma cultura muito diferente da nossa. Mas não é isso que me preocupa. Sabes que vou dormir num futon (um colchão para o chão) e não sei se a minha coluna vai gostar.
Mas não me preocupo por antecipação.
As saudades superam qualquer dor de coluna.
No sábado fui ao concerto comemorativo do 25º Aniversário da Associação de Dadores Benévolos de Sangue de Vizela. Um excelente concerto que a Sociedade Filarmónica Vizelense nos proporcionou.
Tu ias gostar. Tu adoravas ouvir música especialmente música clássica.
Ontem o nosso Glorioso Benfica perdeu. Sei que ficarias triste. Que o jantar já não teria o mesmo sabor caso o Glorioso Benfica ganhasse.
Sempre deste de ti ao que realmente gostavas.
Mas, vendo bem, isso é tão insignificante perante o verdadeiro sentido da Vida! E a tua vida foi tão curta mas cheia de significado para quem contigo privou.
Mais um mês sem ti e já são tantos, demais.
Meu querido filho esta música é para ti. Sei que gostavas de ver o concerto do ano novo.
Amo-te filho 

Radetzky March - Johann Strauss pela Sociedade Filarmónica Vizelense

https://youtu.be/eIya8RpsYaI



domingo, 15 de abril de 2018

quarta-feira, 11 de abril de 2018

Visão ______



".....Sou talvez a visão que alguém sonhou,
alguém que veio ao mundo pra me ver
E que nunca na vida me encontrou!"

Florbela Espanca

domingo, 8 de abril de 2018

sábado, 7 de abril de 2018

Felicidade _______



O meu segredo?
Fazer de pequenos momentos uma infinita felicidade que abafe a dor entranhada no meu coração.

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Fiandeira ________



Memórias de meu viver povoam meus sentidos.
Tropeçando nas dores recolhidas,
percorro os dias da minha vida
com os sonhos deixados pelo caminho,

E do tempo sou fiandeira
entrelaçando os fios do sentimento,
entranhados nos ecos de minha alma,
que ditam o meu sentir neste viver.

MRS

quarta-feira, 28 de março de 2018

Baú de memórias _______



A minha vida é feita de retalhos de lembranças. Memórias eternizadas e tatuadas no meu ser. Fui ao baú das memórias, o que vive em mim ciosamente guardado. Estas imagens abriram-no, quantas recordações se fizeram presente. Um dos encontro das antigas alunas do 7º ano do Liceu D. Guiomar de Lencastre (ano lectivo de 1973-74). Foi na casa de uma colega. Conseguimos recriar o ambiente angolano: a boa disposição, a conversa, a comida, as bebidas e as frutas. Aqui estávamos 27 anos depois. Mais maduros, com algumas rugas nas faces e na alma, cabelos prateados, mas com o espirito jovial de quem tem 17 anos. Ali conseguimos sintonizarmos com a Mãe-África, ali vivemos Angola no presente. Nem os milhares de quilómetros que nos separam e nem os mais de 25 anos passados cortaram o cordão umbilical. Como estava feliz pelo reencontro com o meu 7º ano do Liceu Entretanto vivi, chorei, sorri. Tranquei novamente o baú de recordações..... Ele vale mais que ouro.

segunda-feira, 26 de março de 2018

Felicidade __________

                                                                  (foto: Rádio Vizela)

domingo, 25 de março de 2018

Um Pouco Mais de Nós ______


Um Pouco Mais de Nós

Podes dar uma centelha de lua,
um colar de pétalas breves
ou um farrapo de nuvem;
podes dar mais uma asa
a quem tem sede de voar
ou apenas o tesouro sem preço
do teu tempo em qualquer lugar;
podes dar o que és e o que sentes
sem que te perguntem
nome, sexo ou endereço;
podes dar em suma, com emoção,
tudo aquilo que, em silêncio,
te segreda o coração;
podes dar a rima sem rima
de uma música só tua
a quem sofre a miséria dos dias
na noite sem tecto de uma rua;
podes juntar o diamante da dádiva
ao húmus de uma crença forte e antiga,
sob a forma de poema ou de cantiga;
podes ser o livro, o sonho, o ponteiro
do relógio da vida sem atraso,
e sendo tudo isso serás ainda mais,
anónimo, pleno e livre,
nau sempre aparelhada para deixar o cais,
porque o que conta, vendo bem,
é dar sempre um pouco mais,
sem factura, sem fama, sem horário,
que a máxima recompensa de quem dá
é o júbilo de um gesto voluntário.

E, afinal, tudo isso quanto vale ?
Vale o nada que é tudo
sempre que damos de nós
o que, sendo acto amor, ganha voz
e se torna eterno por ser único e total.

José Jorge Letria

sexta-feira, 23 de março de 2018

Companhia e cama sim! Na vida não! __________

                                                                   (pintura de Klimt)


Existem histórias e relações ao longo de anos, de meses, dias e dias com outras pessoas, que depois lhes propõem dividir, não uma vida, mas apenas uma cama, e só quando lhes apetecer…

A proposta pode revestir ainda as mais variadas modalidades: terem apenas intimidade sexual, continuarem a fazer tudo o que faziam enquanto casal, irem ao cinema, jantar fora, irem ao ginásio, atender o telefone rapidamente, responder a mensagens assim que elas chegam, apoiar, dar atenção, carinho, ternura e até Amor… tudo isto em troca de quê? De muito pouco, quase nada ou mesmo nada de nada.
E eu pergunto: No meio de tudo isto, onde está o respeito pelo outro, pelas suas necessidades, pelo ser humano que é, pelos seus sentimentos e emoções, pela sua essência?
Pois é: Não está! E… não está, porque essa mesma pessoa também não está interessada em nada disso. Está interessada sim, na satisfação dos seus próprios desejos e interesses, e está-se nas “tintas” para si, para o que pensa e, sobretudo, para o que sente e quer.

A cada segundo você tem a opção de seguir por outra estrada, e mesmo que ela lhe pareça ingreme demais no início, conforme for caminhando vai ficando cada vez mais plana, e um dia quando deixar de se preocupar em olhar para baixo e começar a olhar em frente e para tudo ao seu redor, vai sentir que não o aceitar foi a melhor decisão que tomou em toda a sua vida, porque você não é uma boneca/boneco com quem se brinca e atira para o chão, não é babysitter de quem não sabe nem consegue estar sozinho, não é psicóloga de quem não consegue resolver os seus problemas e a sua vida, e preencher os seus imensos vazios existenciais, não é mãe nem pai de quem não teve a atenção, o afecto a valorização, o reconhecimento, o Amor que deveria ter tido… e que projecta em si tudo isso, e ainda o culpa pelo constante desamor que sente por si próprio.

Tudo o que escrevi respeita aos casos em que as duas pessoas se encontraram, se encantaram, se apaixonaram, ou pelo menos uma delas acreditou nisso e a outra de certa forma alimentou essas expectativas, tiveram um relacionamento durante alguns meses e até anos, até ao dia em que a outra vai transmitindo por actos e ausências: “quero continuar a fazer coisas giras contigo, como ir para a cama ou jantar fora, mas não quero mais nada contigo, porque estou saturado, exausto, farto, cansado, estoirado… só me apetece “conviver” com a metade de ti que não me “chateia” e a outra metade prefiro esquecer que existe; não quero deixar invadir a minha vida pela tua."

E de nada vale “armar-se” em “bom samaritano” e tentar convencê-la do contrário massajando-lhe a autoestima. Se ficar ao seu lado, dentro de pouco tempo começará a sentir-se como ele se sente, e a sentir que também tem cada vez menos para dar.
Vai perder a sua autoestima, o seu amor próprio e vai perder-se de si!
Por isso, não se minta a si própria…
Pare de se enganar e deixe entrar na sua vida apenas quem a aceita e Ama por inteiro!

Margarida V.

Envelhecer ____________________



Que o meu envelhecer seja com sabedoria.
Que meus fios de cabelo prateado,
que as rugas, os vincos na face, sejam de alegria.
Que o meu envelhecer de Vida seja recheado,
que o meu coração não fique amargo e indiferente
a um simples gesto de ternura presenteado.

MRS

segunda-feira, 19 de março de 2018

Dia do Pai _______________






Meu querido pai,

Hoje, no calendário, é o teu dia. Mas para mim foste e és o meu pai todos os dias.
Sei que, apesar de a nossa educação estar a cargo da mãe, te preocupavas e estavas a par de tudo. Mesmo querendo fazer as nossas vontades nunca a desautorizavas à nossa frente.
Lembras-te da história da mota? Como eu queria a mota! Mas a mãe, com aquela preocupação infinita, que quase todas as mães têm, era contra. Mas tu, com o teu jeitinho persuasivo, conseguiste convecê-la sem nós assistirmos a essas conversas.
Lembro-me das nossas refeições, onde quase sempre nos fazias perguntas sobre a matéria que estávamos a estudar (histótia, geografia, português.....) e eu aprendia contigo aquilo que, por desleixo ou desinteresse meu, não tinha estudado.
Lembro-me das tuas infindáveis anedotas.____algumas com "gindungo" e do teu espírito de Coimbra que te acompanhou durante a vida.
Lembro-me dos teus escritos sempre a pensar que mudarias o mundo____para melhor!
Mais tarde, quando o meu filho nasceu e cresceu até falar e compreender o que dizias, arranjaste um parceiro para partilhares toda a sabedoria que guardavas e o teu gosto pela música clássica.
Só não partilhavam o amor pelo mesmo clube de futebol. Tu eras do Futebol Clube do Porto e o Nuno, meu filho e teu neto, era do Sport Lisboa e Benfica. Mas isto de futebol mudou muito. Agora joga-se mais fora das 4 linhas que dentro delas.
Hoje em tua homenagem (e ao contrário que é meu costume) publico o símbolo do teu amado Clube. Também publico o local onde passaste os melhores anos da tua vida: a Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra.
Dá um beijo ao meu filho Nuno e à minha mãe.
Adoro-te pai! 

Luz, Amor Y Vida

domingo, 18 de março de 2018

Melgaço _________



Os bons momentos oferecem-nos felicidade;
Os maus momentos oferecem-nos experiência;
Ambos são essenciais para a vida.
A felicidade torna-nos doces.
Os problemas mantêm-nos fortes.
As penas lembram-nos que somos humanos.
As quedas trazem-nos humildade e sabedoria
O tempo pode voar e levar com ele as horas, os dias e até os anos. Mas os momentos, sentimentos e as pessoas que guardo no coração, esses nada conseguirá levar.
Nem o tempo.
Voltar no tempo, voltar à terra dos meus avós maternos, voltar à origem.
Melgaço é especial. Fui em criança com a minha mãe e irmãos. Partimos de Lisboa num Fiat 600 e sem autoestradas. Foi uma viagem longa mas a minha mãe era aventureira.
Voltei lá, também com a minha mãe, quando tinha 15 anos (estávamos em Lisboa a passar férias). Fomos as duas ver a minha tia-avó que estava muito doente. Lembro-me de as pessoas olharem para a minha maneira de vestir (calças de ganga e um top). Não era habitual as raparigas andarem assim vestidas. Dois dias depois a outra minha tia-avó pediu-me para usar blusa em vez do top. As línguas afiadas já lhe tinham dito que era um escândalo eu andar assim vestida. Por respeito à minha tia-avó fiz-lhe a vontade. Afinal eu só lá estaria uns dias e ela vivia lá. Mas fiquei revoltada contra as mentalidades fechadas pois em Luanda não sentia os olhares reprovadores. Na altura pensei não voltar lá.
Mas como disse Melgaço é especial.
E voltei já adulta e com os meus filhos. Foram conhecer as raízes. Melgaço tinha mudado e para melhor. As minhas tias já tinham falecido há muitos anos mas a sua casa lá estava na Rua Rio do Porto.
Adorei tudo. A cidade está muito bonita e bem tratada.
Voltei lá há 8 anos em passeio. Lá sinto uma força e perseverança que vem dos meus avós maternos (que emigraram para Angola, acabados de casar e muito novos). Força que passou para a minha mãe e na qual me sustento sempre que aparecem as voltas retorcidas da vida.
Como disse Melgaço é especial.
Voltei a Melgaço e bem acompanhada.
A minha vida está em mudança. E Melgaço é o local onde me entrego a mim. Onde sorvo a seiva das minha raízes. Onde fortaleço.
Como disse Melgaço é especial.

sábado, 17 de março de 2018