quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Temo, Lídia, o Destino. Nada é Certo



Temo, Lídia, o destino. Nada é certo.
Em qualquer hora pode suceder-nos
O que nos tudo mude.

Fora do conhecido é estranho o passo
Que próprio damos. Graves numes guardam
As lindas do que é uso.

Não somos deuses; cegos, receemos,
E a parca dada vida anteponhamos
À novidade, abismo.

Ricardo Reis
(Heterónimo de Fernando Pessoa)