sexta-feira, 31 de maio de 2013

O meu tempo.............o teu tempo.


Silenciosamente
os meus gritos voam.
Ruidosamente
as saudades estrangulam-me.
O meu tempo corre
atrás do teu tempo.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Desejo..............



Desejo

Quero ir
Deixa-me ir
Em busca da minha força
Resgatar o que já amei
O tempo que me fugiu
A vida que desejei
O sonho que ruiu
Quero ir
Deixa-me ir
Ao sabor do tempo, voar
Subir ao sétimo céu
Na asa do sonho teu
Para voltar a sonhar
Para voltar a amar
Quero ir
Deixa-me ir
Ao canto do fim do mundo
É lá que posso saber
Caminho para achar
Um sentimento profundo
É lá que me quero perder 
E lá que me quero encontrar...

Maria Clara Santos

domingo, 26 de maio de 2013

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Sei que estou só...................




Sei que estou só e gelo entre as folhagens
Nenhuma gruta me pode proteger
Como um laço deslaça-se o meu ser
E nos meus olhos morrem as paisagens.

Desligo da minha alma a melodia
Que inventei no ar. Tombo das imagens
Como um pássaro morto das folhagens
Tombando se desfaz na terra fria.


Sophia de Mello Breyner Andresen

quinta-feira, 23 de maio de 2013

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Manhã..........................



Manhã

Estou
e num breve instante
sinto tudo
sinto-me tudo

Deito-me no meu corpo
e despeço-me de mim
para me encontrar
no próximo olhar

Ausento-me da morte
não quero nada
eu sou tudo
respiro-me até à exaustão

Nada me alimenta
porque sou feito de todas as coisas
e adormeço onde tombam a luz e a poeira

A vida (ensinaram-me assim)
deve ser bebida
quando os lábios estiverem já mortos

Educadamente mortos

Mia Couto

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Mãe...........e filhos!




Mãe

A mulher fia o filho.
No silêncio do corpo
inaugura-se: mãe.
O ventre: curvatura de sol
levantando-se
em mansidão de horizonte.
De si própria se esquece:
tecelã da rosa que já aflora
em crescimento lento
no seu sangue.

Zila Mamede

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Futuro..........................



....................................................................
Hoje e amanhã não são o mesmo dia. Todos
os passados já foram futuro, e o futuro
é com esses passados que tem
de construir-se. O próximo futuro.
Porque o futuro longínquo será a soma
dos futuros mais próximos, isto é,
a soma dos passados que hão-de
vir, sem pedir perdão a um futuro
que, exactamente por ser futuro,
não se pode saber se chegará.

Joaquim Pessoa in Guardar o Fogo


quinta-feira, 16 de maio de 2013




11 meses.....a minha vida mudou para sempre...rodopio entre momentos de tanta saudade, momentos de tanta dor, momentos que me sinto num sonho do qual vou acordar e estás aqui comigo. 11 meses .....já não me reconheço....olho para mim e vejo que parti....como explicar que parti se estou aqui....mas parti no dia em que partiste. A parte que ficou de mim ...rodopia no dia a dia para dar amor à tua irmã, a minha adorada filha Ana Rita ♥. Como queria estar inteira...como queria ter partido de vez e teres tu ficado. Sou egoísta por não querer sofrer? Sou. Daria a minha vida para te ter aqui a meu lado meu filho ♥ Nuno Salta ♥

sábado, 11 de maio de 2013

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Nascimento último...................


Nascimento último

Como se não tivesse substância e de membros apagados.
Desejaria enrolar-me numa folha e dormir na sombra.
E germinar no sono, germinar na árvore.
Tudo acabaria na noite, lentamente, sob uma chuva densa.
Tudo acabaria pelo mais alto desejo num sorriso de nada.
No encontro e no abandono, na última nudez,
respiraria ao ritmo do vento, na relação mais viva.
Seria de novo o gérmen que fui, o rosto indivisível.
E ébrias as palavras diriam o vinho e a argila
e o repouso do ser no ser, os seus obscuros terraços.
Entre rumores e rios a morte perder-se-ia.

António Ramos Rosa

sábado, 4 de maio de 2013

Noite transfigurada...............


NOITE TRANSFIGURADA

Criança adormecida, ó minha noite,
noite perfeita e embalada
folha a folha,
noite transfigurada,
ó noite mais pequena do que as fontes,
pura alucinação da madrugada
– chegaste,
nem eu sei de que horizontes.

Hoje vens ao meu encontro
nimbada de astros,
alta e despida
de soluços e lágrimas e gritos
– ó minha noite, namorada
de vagabundos e aflitos.

Chegaste, noite minha,
de pálpebras descidas;
leve no ar que respiramos,
nítida no ângulo das esquinas
– ó noite mais pequena do que a morte:
nas mãos abertas onde me fechaste
ponho os meus versos e a própria sorte.

Eugénio de Andrade

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Dia de aniversário..................




Dia de meu aniversário.
Mais um ano que vivi,
Onde iniciou meu calvário
e desde então choro.

Choro sim, de saudade
De meu filho querido,
Que partiu sem um adeus
Deixando-me no ninho vazio.

Mas tenho como consolo
O amor no coração,
Dos meus filhos amados
Meus anjos iluminados.

O espírito é eterno
Como eterno é meu amor
por vós meus filhos
Nuno Gonçalo e Ana Rita.

Adoro-vos!