quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Meu querido filho ______


Meu querido filho,

Sei que ainda faltam quatro dias para o Natal.
Este ano será na casa da tua prima Gabriela. Teremos os nossos pequeninos Gabriel e Carolina para colorir a noite de Natal.
Sei que, aí onde moras há mais de 4 anos, estas datas não têm significado.
A espiritualidade vive no nosso corpo e o tempo que temos na vida terrena serve para contemplar o Mundo, partilhar as emoções, alegrar a vida de quem está à nossa volta mesmo que nunca os tenhamos visto, proporcionar conforto a quem está no lado mais obscuro da sua vida.
Tua curta vida terrena foi uma bênção para quem usufruiu da tua capacidade de amar e dar.
Sei que é o quarto Natal em que não estarás fisicamente connosco. Mas também sei que nos acompanhas diariamente. Como os teus avós também o fazem. A vossa presença espiritual revela-se nas memórias, nas fotografias, no amor que sentimos.
Não tarda estaremos todos juntos à volta da mesa ___ nós e tu e teus avós.
Mesmo sabendo que, espiritualmente, estás comigo as saudades teimam em não me largar. A ausência da tua presença física cresce a cada dia que passa ____ não te ver, não te ouvir, não te abraçar e beijar___ dói!
Feliz Natal para ti meu filho e para os teus avós!
Beijo grande e carregado de saudades daqui para aí! Amo-te. ❤
*Lembras-te deste foto? Foste a um casamento e vieste cedo para casa, pois sabias que eu não me deitaria sem tu chegares. Era sempre assim ____ a minha angústia não me deixava adormecer e tu preocupado com a minha preocupação vinhas sempre cedo para casa. ❤


segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Quem sabe?


"Quem sabe, um dia, eu, em mim, colha um jardim?"

Mia Couto

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Dá que pensar ________


"Os falsos amigos são como as sombras, só nos acompanham nas horas iluminadas."

Benjamin Franklin

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Feliz Natal


Aproxima-se o Natal, uma das épocas em que nos reuníamos todos à volta da mesa.
Desde que vim para Vizela (a minha Estrelina Nuno Salta ❤ tinha 3 anos e a minha Princesa do Sol Nascente Sano Ogawa ❤ ainda não me tinha sido oferecida por Deus) só havia 2 épocas no ano que nos reuníamos: nas férias (porque vários membros da família comemoram o seu aniversário nos meses de verão) e no Natal.
E falando em Natal não poderia deixar de falar em presentes. Mas não me refiro aos bens materiais. Refiro-me aos dois Presentes que Deus me deu: os meus filhos. Não nasceram no Natal mas o dia do seu nascimento para mim foi Natal. Como o é todos os dias.
Fui abençoada por dois excelentes filhos e os melhores irmãos!
Aproxima-se o Natal, o do calendário e já faltarão pessoas à mesa (o meu pai, a minha mãe e o meu filho) mas estarão mais dois Presentes de Deus___ os meus sobrinhos-netos Carolina e Gabriel.
Aproxima-se o Natal, o do calendário, época onde muitos se "lembram" de quem sofre, dos carenciados de tudo_____ e que os ignoraram durante quase todo o ano.
Aproxima-se o Natal, o do calendário____ e eu agradeço a Deus os dois Presentes que me deu. Que me fizeram e fazem feliz, dos quais me orgulho pela sua fraternidade entre si e com os outros.
Deus veio buscar o meu filho 11 dias antes de ele completar 28 anos. Foi cuidadoso. Assim continuo a comemorar o "Natal" de 27 de Junho de 1984.
Aproxima-se o Natal, o do calendário e apesar das saudades imensas do meu amado filho, dou graças a Deus por tudo de bom que me tem proporcionado.
Aproxima-se o Natal, o do calendário!
Feliz Natal para todos! 🎄 ✨ ✨

sábado, 3 de dezembro de 2016

7 meses ___________


Faz hoje 7 meses que recebi a noticia que tinha cancro da mama. Foi numa terça-feira, dia 3 de Maio.
Fui passar o meu 60º aniversário com a minha filha e família no fim de semana anterior.
No dia 2 de Maio, na plataforma da Estação do Oriente, enquanto esperava pelo comboio que viria de Santa Apolónia e em direcção ao Porto, recebi o telefonema. Era do serviço de cirurgia do Hospital de Guimarães. O Dr. João Reis queria falar comigo no dia seguinte. Era urgente. Era o resultado da biopsia mamária que tinha feito na semana anterior. Foi rápido ____ nem 8 dias!
Não senti nenhum "baque", nem fiquei com taquicardia ____ pensei calmamente: tens cancro e vais ter que enfrentar uma batalha.
Quase de imediato os meus filhos surgiram no meu pensamento. A minha Estrelinha Nuno Salta e a minha Princesa do Sol Nascente Sano Ogawa . Eles são as pessoas mais importantes da minha vida. Pensando neles, nem por um segundo, receei a doença. Não ia dar esse prazer ao dito cancro, doença, malzinho!
Desde então o caminho que percorri no Hospital de Guimarães e no Hospital de Braga, entre consultas, cirurgias e tratamentos, fortaleceu-me. Tive o privilégio de conhecer profissionais de saúde excelentes e pessoas com cancro batalhadoras e cheias de esperança.
O tratamento e vigilância durará 5 anos. Já só faltam 4 anos e 5 meses!

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Meu querido filho ________


Meu querido filho,

Mais um mês se passou.
O tempo percorre as ruas das nossas memórias
E tenho tantas memórias, doces, divertidas, angustiadas, cheias de amor por ti.
Mas as memórias nunca estão sós. Elas andam entrelaçadas às saudades.
Lembras-te desta foto? Como estavas feliz. Apesar de seres pacato e pouco falador transmitias paz e felicidade. A tua felicidade passsava sempre pela felicidade que proporcionavas a quem de rodeava, principalmente á tua querida irmã.
Aqui estás como te vejo: a flutuar na imensidão do infinto com teu sorriso lindo. Adoro-te meu filho.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Dá que pensar ...................


"Tanta gente aí à espera ansiosamente para ver o que a vida oferece, só que não sai de casa, e quando sai, não tem o olhar curioso nem o espírito aberto para receber o que ela traz."

Martha Medeiros

domingo, 13 de novembro de 2016

Mais uma etapa ________


"No amor podemos substituir uma pessoa por outra, mas não na amizade, porque cada amigo tem o seu lugar e não podemos substitui-lo."

António Lobo Antunes

Mais uma etapa neste dia a dia contra o cancro, a doença, o malzinho. Esta etapa foi preventiva. Teve que ser. Reconheço que não sou muito cuidadosa comigo. E para não haver surpresas fui sujeita a nova cirurgia.
Mas, como acima referi, a luta contra o cancro, a doença, o malzinho é no dia a dia. Nesta luta a pessoa mais importante é quem a trava. É certo que toda a estrutura da Saúde: Médicos, enfermeiros, administrativos, os exames complementares de diagnóstico e vigilância e os tratamentos são fundamentais. Mas a força de vencer tem vir de nós, portadores de doença oncológica.
A nossa mente comanda o nosso corpo tal como o nosso espírito comanda a nossa vida. E é assim que vou continuar, um dia de cada vez, a ultrapassar etapas na minha Vida.
O meu agradecimento à minha Colega Drª Lucinda da Graça que me vigiou e operou e a toda equipa do Serviço de Ginecologia do Hospital Senhora da Oliveira.
Quero agradecer a todas as pessoas amigas que, através das redes sociais, de mensagens e telefonemas me acompanharam nestes 4 dias.
Agradeço a todos os meus Colegas (Médicos, enfermeiros, Secretários Clinicos e Funcionários) da USF Physis, da USF Novos Rumos e do Centro de Saúde de Vizela pela preocupação com esta cirurgia.
Agradecimento especial à minha familia Vizelense, Goreti, João, Nuno Pinto e Daniela Pinto como à minha Amiga Maria Ivone Pinto Guimaraes.
Não posso esquecer uma pessoa, que entrou mais recetemente na minha vida, mas que me tem acompanhado e apoiado nestas etapas: beijinho grande Alzira Faria.
Mais uma vez o meu irmão António José e minha cunhada Ana Salta se disponibilizaram para estar comigo nestes dias do pós- operatório. Agradeço a Deus me ter proporcionado ser sua irmã.
Agradeço a toda a minha família.
Ao meu filho e minha Estrelinha Nuno Salta e à minha filha e minha Princesa do Sol Nascente Sano Ogawa dedico a minha luta e amor infinito.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Dá que pensar __________


"A intensidade da decepção é proporcional à amizade, ao afecto, ao amor e ao carinho que tens por quem te proporcionou tal dor."

(Autor desconhecido)

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

O Meu Cancro

O Meu Cancro



O meu cancro_______

Na medicina dois mais dois não são quatro!
Não posso dizer que já não tenho o cancro da mama. Posso dizer que farei tudo para o "abater"!

Este documentário demonstra que na vida não existem certezas ___
existem batalhas diárias, superações, momentos de fragilidade,
determinação e acima de tudo VIVER!
Não vai ser o meu cancro que me vai impedir de VIVER.
Eu decido o meu VIVER!

A minha vida, a minha filha, a minha família, as minhas amigas e meus
amigos, a minha profissão fazem parte do meu VIVER. É para esse VIVER
que travo a batalha contra o meu cancro.
É para esse VIVER que me levanto todos os dias, mesmo sabendo que a dor da perda e as saudades do meu filho me acompanharão. Também por ele, pelo eterno meu menino,
decido o meu VIVER!







terça-feira, 18 de outubro de 2016

Medicina Geral e Familiar _____


Por ser Dia do Médico______
É assim que entendo a Medicina Geral e Familiar:

A minha utente A. S. de 82 anos de idade veio para a consulta de vigilância de Diabetes e Hipertensão.
É uma senhora viúva que já foi emigrante, trabalhou muito e desde muito nova e sofre a dor de ter perdido uma filha. Ficou com a sua neta, ainda menor, a seu cargo (hoje já é uma jovem adulta formada e independente).
Devido à idade e já a uma certa necessidade de ser acompanhada foi viver com outra filha para Águeda.
Mas quis manter a sua inscrição na minha lista.
- Não quero mudar de Médica. Foi sempre a Senhra Drª que me tratou. Já me conhece por dentro.
- Mas a sua filha tem de a trazer cá. É um transtorno.- disse eu
- Não faz mal. Ela é vendedora e vem para estes lados muitas vezes. Venho com ela de manhã e vou à noite. Aproveito e vejo como está a minha casa aqui. Mas deste Centro de Saúde não saio. - respondeu a minha utente
Hoje ela chegou muito nervosa e foi dizendo:
- Desculpe Srª Drª mas estou desorientada. Recebi uma carta de um advogado, penso que seja por causa de um vizinho e já não fiquei bem.
- Tenha calma. Já leu a carta?
- Não.
- Mostre lá a carta. Até pode ser um assunto simples.
Lá procurou na carteira e entregou-me um registo.
- Mas ainda não foi levantar a carta - disse eu
- Pois. Eu fui mas já tinha sido devolvida. E agora vou ficar sem saber qual é o assunto.- disse muito nervosa
- Tenha calma. Eu vou ver se a posso ajudar.
Reparei que no registo vinha o nome de um advogado. Fui ao "Dr. Google" e pesquisei.
Encontrei um e tinha o contacto. Pedi licença à minha utente para ligar a saber se era o mesmo advogado da carta. Ela anuiu e agradeceu.
Liguei, identifiquei-me e expliquei o assunto à senhora que me atendeu (possivelmente a secretária) e esta confirmou que tinham recebido um registo devolvido no nome da minha utente.
Expliquei que a minha utente vivia com a filha em Águeda e, dado a "aflição" dela, se não poderia reenviar a carta para a morada da filha.
Mas a minha utente , com os nervos já nem sabia dizer a morada correctamente.
Disse-lhe para ligar à filha que eu falaria com ela. Assim foi: com os 2 telemóveis em chamada fui dando a morada à Secretária do advogado.
Assunto resolvido e a minha utente ficou mais calma.
Fartou-se de me dizer que estava a perder tempo com ela. E eu respondia que era meu dever ajudá-la mesmo que não fosse para casos relacionados com a medicina.
Deixei-a acalmar, fui vendo as análises e exames. Fui fazendo os cliques todos para os indicadores e depois medi-lhe a tensão arterial. Vá lá, estava dentro dos parâmetros normais. Já estava calma. Fiz o resto da observação, receitas e análises passadas e nova consulta marcada.
Antes de sair ela perguntou se podia dar-me dois beijinhos.
- Claro que sim! - respondi
Ela saiu mais calma e eu fiquei com dois beijos cheios de gratidão e amizade!

"Nas nossas vidas diárias, devemos ver que não é a felicidade que nos faz agradecidos, mas a gratidão é que nos faz felizes."

Albert Clarke

domingo, 16 de outubro de 2016

A casa está vazia .........


Abre-se a janela....

Abre-se a janela
entra o som da vida
e através dela
vejo a minha pequenez.

No rolar dos carris
as imagens correm
tanta terra, tanto país
somos tantos no viver.

Viagens divididas
coração em metade
memórias vividas
na janela da maternidade.

MRS

Mais um mês sem ti meu querido filho.
A casa está vazia desde o dia que partiste.
As viagens para Lisboa são frequentes. Lá tenho um lar____ a casa da tua irmã Ana Rita 💓. Lá encontro-me com os teus tios e primos. Lá tenho o calor da família.
A casa está vazia, sem ti ______ mas cheia de memórias tuas.
Essas mesmas memórias são, simultâneamente, boas e dolorosas.
A casa está vazia, sem ti _____ mas a tua presença, mesmo que calado e quieto na tua sala de trabalho, espalhava-se ao som da música clássica que ouvias.
A casa está vazia sem ti meu filho Nuno Salta 💓 ______ mas as saudades ultrapassam as suas paredes! Amo-te 💓

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Mais uma etapa _________


Hoje fui à consulta de Oncologia do Hospital da Senhora de Oliveira.
Segundo a minha colega, que já está no meu coração, está tudo bem.
A conversa foi agradável e saí com o meu pensamento nos meus filhos: o Nuno a minha Estrelinha e a Ana Rita a minha Princesa do Sol Nascente.
Já ficou marcada a nova consulta para Fevereiro de 2017.
No próximo mês vou voltar a ser internada (tomei-lhe o gosto 😉) para fazer uma cirurgia: retirar o útero e os ovários. Menos uma preocupação para mim dado que sou uma "desleixada" com a minha vigilância.
Lá diz o ditado: casa de ferreiro espeto de pau!😃

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Sonhar ______________


Queria voar como um balão
subir até te encontrar
para te dar a mão
e nunca mais te largar.

Queria voar como um balão,
para ir buscar-te ao infinito,
voltar enlaçada na tua mão
e viver convosco até ser só espirito.
MRS

Amo-te meu filho Nuno Salta 💓 ____ Amo-te minha filha Ana Rita/Sano Ogawa 💓

"— Dói-te alguma coisa?
— Dói-me a vida, doutor.
— E o que fazes quando te assaltam essas dores?
— O que melhor sei fazer, excelência.
— E o que é?
— É sonhar."

Mia Couto

terça-feira, 11 de outubro de 2016

sábado, 8 de outubro de 2016

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

"A vida nem sempre é como sonhamos"


"A vida nem sempre é como sonhamos"

Hoje fechou-se mais um ciclo na minha vida ____ meu trabalho na Unidade de Cuidados Continuados de Vizela. Desde que meu filho faleceu a vida tem-me levado para caminhos nunca sonhados.
Esta difícil decisão foi sendo ponderada ao longo destes 4 anos. As minhas idas a Lisboa são cada vez mais constantes. Necessito de estar com a minha filha e a minha família.
Outras situações foram aparecendo como, mais recentemente, o cancro, a doença, o malzinho.
Mudanças estão a ser feitas, passo a passo, rascunhadas mas sem planos certos.
Hoje foi mais um dia em que a tristeza da despedida me invadiu. Não pude conter as lágrimas da despedida originada por outra despedida _____a dura despedida que aconteceu no dia 16 de Junho de 2012 com a morte do meu filho.
Durante mais de 5 anos trabalhei com pessoas fantásticas e excelentes profissionais (de todas as áreas).
Foram momentos de trabalho, de partilha, de convívio, de riso com os nossos disparates ___ nem a diferença de idades (a maioria poderiam ser meus filhos) nos separou.
Querida equipa da Unidade de Cuidados Continuados de Vizela quero agradecer-vos todos os momentos que passamos juntos e o carinho que sentem por mim. Adoro-vos e estarão sempre no meu coração. ❤

* Desejo à minha Colega Drª Nuna Vieira felicidades no cargo que vai desempenhar e que sinta o carinho da preciosa família desta Grande Instituição.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Mais um mês ________


Meu querido filho,

Já não conto os meses _____ são demasiados!
Hoje faz mais um mês que a tua Vida terrena terminou a caminho de um convivio/jogo de futebol com os teus colegas de doutoramento.
Sem sequer imaginar aprendi muito contigo.
Afinal tu tinhas razão____ os teus dias eram vividos "sem pressas", "sem stress" e "sem Planos Certos". Até para nascer não tiveste pressa, aguentei 42 semanas e quase que foste "arrancado à força" no parto.
Deixaste a vida correr cumprindo as tuas obrigações atempadamente.
Aprendi a ter poucas certezas. Aprendi a viver o hoje e o agora. Aprendi a não tentar idealizar um futuro que ainda não chegou.
Já não conto os meses, já não conto os dias ____ as saudades aumentam, a dor da tua ausência mantém-se VIVA até ao dia que me reencontrar contigo.
Amo-te meu querido filho! 💗

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Dá que pensar ______


"Não há nada pior do que ser tarde demais."

Charles B.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Passou 1 Mês ____________


Faz hoje 1 mês que acabei os 30 tratamentos de Radioterapia ___ o famoso "solário"!
E, apesar das viagens cansativas, sinto saudades das pessoas.
Nos 30 dias de tratamentos criei laços com os funcionários e com os meus e as minhas colegas de "solário".
Como aprendi com eles e elas. Foram momentos especiais, únicos, importantes que, de algum modo, mudaram a minha visão sobre a Vida.
Momentos com muita reflexão, principamente nos vestiários antes de entrar para a sala de radioterapia.
As minhas "dores" têm-me fortalecido. Isso é o que tem acontecido ao longo da minha Vida com tanta volta e reviravolta.
Faz hoje 1 mês que, olhando para trás, tenho tanto a agradecer. Aos médicos, enfermeiras, funcionários, colegas de percurso, à minha filha, ao meu filho e minha estrelinha protectora Nuno Salta, ao meu irmão e cunhada,a Goreti e família, à Maria Ivone Pinto Guimarães, aos meus colegas da USF (todos e todas) e a Deus.
O caminho da Vida será sempre para a frente, fazendo com que seja profícuo e com horas, minutos ou segundos de felicidade.
Já só faltam 4 anos e 8 meses!

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Desafio aceite


Desafio aceite!
O desafio a favor da luta contra o cancro. Aderi, até porque tenho uma doença oncológica.
Mas a principal luta contra o cancro é evitá-lo ou apanhá-lo ainda numa fase inicial.
Como já referi noutra publicação, sou uma desleixada quanto à minha saúde.
Já abençoei os malditos (benditos) "indicadores" que por um lado nos condiciona e faz-nos perder tempo a olhar para o computador e fazer cliques atrás de cliques mas por outro é ao cumprirmos esses mesmos indicadores que prevenimos, rastreamos e tratamos as doenças.
E assim aconteceu comigo: fui em Abril à consulta para cumprir indicadores e após os exames detectou-se a doença, o malzinho, o cancro para além de outras mazelitas próprias de quem vai pr'à idade!
Sei que os ditos indicadores irão infernizar quem é médico(a) ou enfermeiro(a) e que gosta do contacto com o doente, de o escutar, de o aconselhar. Acreditem que na minha consulta falamos de tudo: do que o levou lá, da sua vida profissional, familiar, de futebois, das noticias, do presente, do passado e do futuro incerto. Quando se trata de mulheres aí a conversa vai parar quase sempre ao marido. Muitas vezes elas vão à consulta para se queixarem por eles.
Voltando à doença, ao malzinho, ao cancro___ passados mais de 3 meses da cirurgia, os 30 dias de tratamento de radioterapia onde no meio de sofrimento consegui momentos de alegria, consegui ultrapassar estas fases. Outras virão pois a vigilância é mais apertada durante 5 anos.
Mas depois de entrar nesta minha guerra ou luta abençoarei sempre os ditos "indicadores" mesmo pensando que são em demasia.
Aqui deixo, com nostalgia, uma recordação das minhas idas ao "solário": o vestiário onde pendurava a camisola exterior, o saco com a garrafa de água e o frasco de creme para aplicar na pele logo a seguir ao tratamento. Também temos que prevenir os efeitos secundários dos tratamentos.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Regresso ______


De volta a casa.
Digo casa e não lar.
Nos momentos em que a minha filha está cá de férias volta a ser o meu lar mas não o mesmo LAR!
Ainda estou de férias mas esta semana que passei em Cascais com a minha filha e minha família deu para retemperar.
Soube a pouco confesso. Gosto de estar com quem me faz sorrir e até dar gargalhadas. Não tarda ficarei novamente só na minha casa.
Os meus sobrinhos-netos estão lindos. As crianças (mesmo as traquinas) têm o dom de me alegrar o espirito. Basta a sua presença.
Por isso muitas mães de utentes meus e minhas, actualmente jovens adultos(as), ficam admiradas das recordações que tenho dos seus filhos quando eram bebés e crianças.
Como não podia deixar de ser as férias também já não são o que eram. Falta-me o meu filho.
Eu sabia quando ele subia estes degraus. O andar dele era inconfundível. E se lhe cheirava a comida ou sobremesa subia-os num ápice.
E mesmo estando em silêncio na sua sala de trabalho enchia o nosso LAR com a sua presença.
Hoje voltei para minha casa. As férias vão continuar por mais uns dias.
A minha vida mudou, mas continuo a fazer pela VIDA. Um dia chegarei ao cimo da sua escada.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Em que estás a pensar?



Em que estás a pensar? Pergunta habitual do facebook.
Estou a pensar numa mulher que morreu devido ao cancro do útero. Chama-se Margarida. É conhecida por muitos devido ao seu marido e às causas a que se dedicou. Tem a minha idade.
Estou a pensar na, também conhecida, Sofia que tem o cancro da mama. Já acabou os tratamentos. Uma batalha vencida. Mas ainda não acabou a guerra.
Estou a pensar em todos os que têm uma doença oncológica.
Ter uma doença oncológica não significa uma sentença de morte. Nascemos com a sentença de morte, não sabemos nem quando e nem como.
Mas apesar de já ter feito radioterapia, terei que fazer "quimioterapia" oral (Tamoxifeno e Anastrozol) mais a vigilância apertada, não vá alguma "celulazinha malandra" ter-se escapado para outras paragens do meu corpo, durante 5 anos. Depois desses 5 anos passados poderei (poderemos) dizer com mais convicção que a doença, o cancro, o malzinho foi banido. Pelo menos este. Porque terei (teremos) sempre uma probabilidade de arranjar outro tipo de cancro, doença, malzinho. (vade retro!)
E porque foi notificado um aumento da incidência de cancro do endométrio (útero) e de sarcoma uterino (tumor mesodérmico misto maligno, na maioria das vezes), em associação com o tratamento com Tamoxifeno. nada como retirar o dito útero e por acréscimo os ovários, que só aqui estão a ocupar espaço, pois a sua funcionalidade foi-se com a menopausa. É o que vou fazer mais lá à frente.
Mas os meus dias são vividos um de cada vez, sem a pressão que muitos sentem de um futuro incerto.
Prevenção será sempre o ideal para qualquer doença. Depois segue-se a detecção precoce/rastreio com os exames periódicos.
Por isso a importância do Médico de Família, quem nos pode orientar antes que a doença, o cancro, o malzinho tome a dianteira.
E havendo suspeita seguir para consulta de especialidade e passar por tudo que muitos já passamos.
A minha mãe teve o cancro da mama aos 62 anos (já lá vão 26 anos). Foi operada, fez radioterapia e venceu o cancro. Não venceu a morte, porque essa ninguém vence! Mas viveu quase 86 anos. Cheios de história, de alegrias, de força e garra, muitas voltas retorcidas da vida e de muito sofrimento. Sofrimento com a morte prematura da minha irmã mais velha (como sinto o seu sofrimento) e do seu neto e meu filho até ao dia que partiu para junto deles.
Ninguém vence a morte mas pode vencer a VIDA vivendo-a com o coração aberto porque há sempre alguém que necessita da nossa ajuda.
Mais que existir é fundamental VIVER!

Liberdade _____



"Que nada nos limite. Que nada nos defina. Que nada nos sujeite. Que a liberdade seja a nossa própria substância."
Simone de Beauvoir

Luso (agora Luena) e Luanda onde vivi, Malange, Cela, Nova Lisboa (agora Huambo), Lobito e Benguela, Novo Redondo ___ Angola de norte a sul e de este a oeste. Neste grande país aprendi a não deixar nada limitar-me. A terra ensina____ ou a ligação que temos com a terra, com as pessoas e com a natureza. Uma ligação que nem todos poderão sentir pois estarão entretidos com as coisas materiais e fúteis da vida.
Essa ligação com a terra angolana é especial. Já disse que Angola é a minha mãe terra.
Na minha infância e juventude a liberdade foi crescendo em mim. Começou a mais importante: liberdade de pensamento. Li muito, absorvi opiniões, vivências e sem me sujeitar a nenhuma a minha substância formou-se.
Nunca convivi bem com o que se diz "socialmente correcto" porque me limitava, tentava oprimir o meu pensamento e consequentemente definir-me como a maioria!
A minha mãe (minha querida mãe ♥) bem tentou moldar-me ao status de ser menina, rapariga. Não o conseguiu.
A liberdade de ser eu, pessoa,a Kinina, que vim ao mundo, não para "ver andar os outros", mas para viver com rebeldia e com liberdade.
E foi na terra mãe Angola que sorvi a minha substância!
Hoje aqui estou eu, a Kinina, rebelde e irreverente.

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

5 de Agosto - Último tratamento



Hoje foi o meu último tratamento de Radioterapia.
O tempo passou rapidamente apesar da "canseira" de ir para Braga todos os dias e após o trabalho.
Fui acompanhada da minha filha e da Goreti.
Como iria ter consulta tive de sair de Vizela após um rápido jantar pois fiz o fecho da USF.
Levei Bolinhol e um ramo de flores. O Bolinhol para adoçar a boca dos pacientes, das funcionárias e técnicos e as flores campestres para que a sua beleza encha a alma atormentada dos que ali vão pensando num futuro incerto.
Foi uma alegria para quem lá estava.
Como o serviço estava calmo e a consulta um pouco atrasada entrei logo para os vestiários do "solário". Enquanto lá estive pude ouvir os técnicos a abrir uma das caixas com o Bolinhol e pouco depois a gabá-lo:
- Que maravilha. É mesmo bom!
Despedi-me dos técnicos com um abraço.
À saída quando me cruzava com os outros pacientes fui despedindo com beijos para as "meninas" e "abraço" para os meninos. Desejamos as melhoras e um até já ___ quem sabe um dia fora do Hospital.  
Fui entretanto à consulta. Segundo o meu colega está tudo bem e fez a carta de alta para entregar na Consulta de Oncologia do Hospital de Guimarães.
Referiu-se ao Bolinhol dizendo que era muito bom.
Sorri e agradeci o profissionalismo e simpatia de todos sem excepção.
Já na 1ª sala de espera fui buscar o cartão, despedi-me da Cátia, a Secretária Clinica que estava de serviço, com um abraço apertadinho.
Ela agradeceu e dissemos ao mesmo tempo: Vou ter saudades suas!
Do Bolinhol já só restavam 3 pequenas fatias.
30 dias cheios de momentos e pessoas que nunca esquecerei.
Estou mais rica e cresci como pessoa!
Ficam as imagens aqui e na minha memória.
Abençoada sou por ter ultrapassado esta etapa.
Obrigada à Goreti (minha irmã de coração), à minha Amiga Maria Ivone que me acompanharam aos tratamentos. Ao meu irmão e minha cunhada Ana Salta a preocupação com o decorrer dos tratamentos através de telefonemas diários. À minha familia, aos meus amigos e utentes pela sua solidariedade.
Amanhã é outro dia. Darei outro passo!

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

4 de Agosto


Mais um ___ menos um!
Dias após dia estou a chegar ao fim.
Hoje fui à hora habitual. Na 1ª sala estavam várias pessoas entre pacientes e acompanhantes.
Antes de iniciar os tratamentos, dado que nunca tinha estado em nenhum serviço de Radioterapia, fazia outra ideia do ambiente que se vivia nas salas de espera.
A 1ª sala de espera é acolhedora, tem o balcão ao fundo sempre com flores, as pinturas na parede, tem as cadeiras dispostas de várias formas, a televisão funciona e o som está no volume ideal. Tem máquina de água e café. As pessoas na sua maioria estão com uma postura de combate à doença, ao cancro, ao malzinho.
Na 2ª sala de espera, igualmente acolhedora, eramos 5 pessoas: 2 mulheres e 3 homens, todos conhecidos do "solário". Na televisão decorria o jogo Portugal-Argentina no Brasil. Os homens estavam muito interassados no jogo e nós mulheres começamos a conversa.
- Amanhã é o meu último tratamento - disse eu
- Eu só acabo daqui a 10 dias - disse a senhora que tem 36 anos
- Vai ser um instante. Vou ter saudades vossas e dos momentos que aqui passei.
Ela sorriu e disse:
- Aqui fazemos amizades especiais.
- É verdade - respondi
- O que me está a custar é como fica a pele depois do tratamento - disse ela
- Traga o creme e aplique logo após o "solário" (ela riu-se do "solário") no vestiário. Vai ver que a sua pele vai ficar muito melhor. Mas também a minha pele não é como a sua. A sua ainda é novinha e a minha já está calejada da idade.- respondi
Até os homens se riram desta minha tirada.
E chegou a hora de entrar para levar os penúltimos raios daquele abençoado aparelho.
À saída despedimos-nos com o "até amanhã", "as melhoras" e com um sorriso de orelha a orelha.
Passei pela sala onde ficam os doentes que vão de maca e não resisti a tirar esta fotografia da pintura da parede. Transmitiu-me paz e tranquilidade!
Já só falta 1 tratamento.

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

3 de Agosto






Já só faltam 2 tratamentos!
Hoje fui mais cedo pois, logo à noite, tenho a reunião do Rotary Club de Vizela.
Fui acompanhada pela Maria Ivone Pinto Guimaraes.
Na 1ª sala de espera estavam 3 pessoas familiares dos pacientes.
Entreguei o cartão e a Secretária Clinica, na sua imensa simpatia, disse: chegou em boa hora! Vai já entrar pois assim adiantamos os tratamentos. E lá fui para a 2ª sala de espera.
Estava lá um senhor, com cerca de 75 anos, que já conheço de outras vezes que pedi troca para esta hora.
Ele reconheceu-me e disse: Muito boa tarde! Tenho pensado em si quando para aqui venho. Até comentei com a minha mulher que a senhora nem parece estar doente. Sempre com boa disposição.
- E não estou doente! Sinto-me bem, não me dói nada, como bem, durmo bem, trabalho e tenho força para aguentar com as radiações do aparelho que está lá dentro - respondi sorrindo.
E continuei: tive uma doença, já fui operada e agora é tratar de a curar.
- Visto assim tem razão em andar bem disposta. Então também não estou doente pois sinto-me bem. De ora em diante vou dizer aos meus amigos que não estou doente, vou dizer que estou a tratar uma doença. - disse ele e sorriu.
Fui logo chamada para o solário. Estes últmos 5 tratamentos são mais rápidos mas mais intensos! Abençoado creme (Ureadin RX/RD) que aplico logo a seguir, pois apesar de estar moreninha a pele está intacta.
De volta para Vizela não podia faltar o lanchinho no Teatro dos Sonhos (o bem bom está a acabar 😉): Sumo natural de maçã bem geladinho e bolo de chocolate e bolacha oreo (deliciosooooo).
Lá disse: vou ter saudades das pessoas e dos momentos que convivi com elas no Hospital de Braga e também destes deliciosos bocadinhos aqui onde a paz se alia ao prazer de um doce.
Mais um ____ menos um!


2 de Agosto


Mais um ____ menos um!
Hoje fui à hora habitual, ou seja, no meu horário.
Fui com a minha filha e com a Goreti.
No largo corredor que nos leva ao serviço de Radioterapia estavam 3 peças em exposição. Amálgamas de ferro mas com significado___ basta interpretar o que vemos.
Existem muitas situações na nossa vida que, não sabendo interpretá-las, pensamos que não fazem sentido, são amálgamas de emoções, dor, pânico.
Estas esculturas servem para reflexão. Na escultura do Homem está escrito o seguinte:

O Homem

Ao acaso venera o ego e a inocência
leve é a brisa do passo que pisa
Que Tamanho PREVALECE?
Que Outros Nos Poderão ESMAGAR?

ÍRIS

Tudo tem um propósito, uma razão. Muitos, cegos pelo seu ego, não conseguem ver para além da sua vidinha mecanizada, certinha, rotineira.
E se algo de mau ou menos bom lhes acontece, são vítimas do destino ou de Deus que os abandonou. E na sua vitimização não conseguem tirar partido de ensinamentos nesses momentos criando uma amálgama de sentimentos como o desespero, raiva, impaciência e impotência. Na sua falta de lucidez não vêm a "luz" que nos guia nesses maus momentos.
Hoje na 2ª sala de espera, estavamos 3 mulheres. A conversa girou à volta de filhos e netos.
A preocupação das mães é constante mesmo que os filhos sejam adultos.
- O meu filho tem 28 anos e para mim é sempre um menino.- disse  uma delas
Todas concordamos! Os nossos filhos serão sempre os nossos meninos e meninas.
- Tenho uma neta! Vive com a mãe em França. Já não a vejo há mais de 6 meses. A mãe separou-se do meu filho e só agora é que a menina vem a Portugal para nos ver. O tribunal assim o decretou. Pela vontade da mãe a minha neta nunca estaria connosco. - disse ela num misto de alegria e mágoa!
- Não compreendo como os pais (pai ou mãe) conseguem colocar os seus interesses ou melindres à frente do que realmente é importante para a criança. Em muitos casos as crianças servem de arma de arremesso entre um casal desavindo. - respondi
Todas concordaram!
Fomos chamadas para o "solário" fui com a mensagem da escultura no corredor no meu pensamento.
Já só faltam 3 tratamentos!

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

1 de Agosto


Já só faltam 4 tratamentos!
Hoje voltei a ser requisitada para ir mais cedo. A Secretária Clinica telefonou-me pedindo para o fazer. E eu acedi de imediato. Mais tarde fiquei a saber que, infelizmente, não foi porque o número de pacientes diminui mas sim porque houve um atraso em 2 ambulâncias de transporte de doentes. Jantamos rapidamente e lá fomos para Braga (eu e a minha filha Sano Ogawa)
Cheguei e vi que a Secretária Clinica ficou feliz pela minha presença pois na 1ª sala de espera só estavam 2 pessoas e eram acompanhantes. Entrei logo para a 2ª sala de espera. Lá estava uma senhora com cerca de 50 anos, de cabelinho curto a renovar. Já tinha feito quimioterapia. A camisola ditou o local da doença, do cancro, do malzinho.
A conversa iniciou e lá contou que quando notou um "caroço" não ligou muito. Não tinha tempo para ir ao médico.
- Um dia, devido a uma dor forte nas costas, fui ao Médico de Familia. Aproveitei e falei no caroço. Ele viu e "berrou" comigo por não o ter consultado mais cedo. Pediu logo os exames. - disse ela com as lágrimas nos olhos
- Não chore, encare e reaja. Isso vai passar. Daqui a 5 anos ainda nos encontraremos e vamos-nos lembrar disto. - disse eu
- Não é pela doença que choro. Quando o meu marido soube que ia tirar o "peito" ele deixou-me. Disse que não tinha vagar para tratar de uma mulher que já não lhe serviria. - respondeu
- Mais uma razão para não chorar. Marido assim não serve é para si. Pense que um dia poderia ser a senhora a tratá-lo, o que ele não está a fazer por si e sem ele o merecer.
Ela olhou para mim, ficou pensativa e disse:
- Tem razão no que diz. É duro ouvir o que ouvi da boca dele mas vou pensar em mim. Tenho 3 filhos e 2 netas. É por eles que vou fazer ver ao meu marido que sou uma mulher com força.
- Assim está melhor. Sorria que tudo isto vai passar. Tal como as estações do ano a vida renova-se! - respondi
Fomos chamadas para o solário e ela sorriu e agradeceu Eu respondi com outro sorriso.
Nada pior que a dor da alma!

No chão uma lágrima caiu
Foi dor, foi ferida na alma.
Foi o coração que se partiu.

Minorar essa dor é uma constante na Medicina Geral e Familiar. Não tratamos só a dor física.
Tal como nesta foto em que a água apazigua a sede das folhas, o Médico de Familia tem de apaziguar o "coração" dos seus utentes.
Mais um ____ menos um!

domingo, 31 de julho de 2016

Amanhã, peço o novo dia que virá!

"Amanhã, vou acender uma vela na Muxima
Amanhã, levo para os meus santos flores de acácias
Amanhã, peço para toda gente que me estima
Amanhã, peço para o novo dia que virá (amanhã)"

https://youtu.be/S8JdYfaUBZo

Posso afirmar que não sinto saudades de Luanda___ quando digo "saudades aiuê" era dos tempos em que lá vivi. De Luanda o sentimento é outro____ é de filha para mãe. Sou filha de Angola, não há volta a dar. E sinto falta desta mãe, a mãe natureza! Não somos só um corpo quando nascemos. Nós somos a terra. Nasci em Lisboa mas fui criada por Angola fazendo parte de tudo o que a envolvia: a natureza, o ar, o mar, a terra vermelha, as lendas e contos, o som dos batuques, as chuvadas tempestuosas (como gostava delas), a liberdade, o sol, o cheiro a terra molhada, o singelo. Sou, simplemente, a Kinina.
Por isso não sinto saudades de Angola. Sinto falta da Terra Mãe que me vai chamando___ chamando____chamando!
Amanhã, peço para o novo dia que virá!

sexta-feira, 29 de julho de 2016

29 de Julho


Mais um dia ____ menos um dia!
Hoje na 1ª sala de espera estavam poucas pessoas. Não havia atraso. Entreguei o cartão à Secretária Clinica e sentei-me.
Ao meu lado sentou-se um senhor já conhecido do "solário". De inicio ele era muito calado,introvertido mas com o tempo começou a entrar nas conversas que se geravam entre os outros pacientes. Falamos do atraso de ontem. Mas poucos têm o stress de uma espera.
Pouco tempo depois fomos chamados para a 2ª sala de espera.
Lá já se encontravam duas senhoras, também conhecidas do solário.
Uma delas falou do caso do pai que tinha falecido com um cancro de estomago. Foi operado mas não lhe fizeram nada. Já estava num estadio avançado.
Depois falamos nos Cuidados Paliativos ou na falta deles.
Referi que só 30% dos doentes que necessitam de cuidados paliativos têm acesso a eles. Os outros, ou têm sorte de ir para a uma Unidade de Cuidados Continuados (neste momento estão a fazer o papel de Cuidados Paliativos), ou vão para casa sofrer pois existe medicação que só temos acesso em farmácia hospitalar.
E a vida tem de ser vivida com dignidade e a morte acontecer com dignidade e sempre que possível sem sofrimento desnecessário.
Ali falamos de sofrimento e morte sem constrangimentos ____ "não fales em morte ou em sofrer pois ele/ela tem um cancro, mal ruim" frase que é sussurada cá fora pelos conhecidos, vizinhos e até por familiares. Não é o nosso caso pois pomos o preto no branco e não existem tabus!
Depois do solário fui buscar o cartão à Secretária Clinica e como ela para a próxima semana está no turno da manhã, despedi-me com um abraço e beijinhos.
Vou ter saudades____ como já disse um doce de pessoa!
....
Cheiro com cor
dão as boas-vindas
atenuam a dor
de quem lá chega
....
Já só faltam 5 tratamentos!

quinta-feira, 28 de julho de 2016

28 de Julho


Mais um ____ menos um!
Já fiz 24 tratamentos.
Hoje a 1ª sala de espera estava cheia. Algumas caras novas. Tem sido assim esta semana. O atraso era mais de 1 hora.
Entreguei o cartão e sentei-me à espera na companhaia da Maria Ivone Pinto Guimaraes.
Fui-me apercebendo que as caras novas estavam um pouco impacientes. Até o condutor da ambulância estava. Mas nestes casos saber esperar é o melhor.
Na 2ª sala de espera fiquei ao lado de uma senhora que iniciou o "solário" esta semana. Foi operada a um carcinoma da mama e teve que a retirar. Tem 45 anos. A decisão da mastectomia foi dela. Já tinha sido operada mas só ao local onde estava o tumor. Os ganglios sentinela na análise extemporânea (no bloco operatório) deram negativo. Mas depois no laboratório da Anatomia Patológica, com exames mais precisos, dois deles deram positivo. O cirurgião chamou-a e informou-a que tinha que fazer esvaziamento da axila e fazer nova cirugia da mama para alargar a zona à volta do local onde estava o tumor.
Ela perante a situação tomou a decisão que eu tomaria: "quero tirar a mama. Já não está aqui a fazer nada e nada me garante qe não possa que ter de ser operada novamente". O cirurgião concordou com a sua decisão.
A conversa girou à volta da estética/funcionalidade. As mulheres veneram as suas mamas quando as mesmas servem para amamentar. Deixando de servir para essa função e havendo um risco na saúde em mantê-las, retirar é a melhor opção. E sem drama!
Quando soube do meu problema disse ao cirugião à porta do Bloco: se tiver que tirar a mama, aproveite e tire a outra! Ele ficou admirado pois muitas mulheres fazem um drama por ficarem sem a mama.
A senhora é jovem, bonita e muito decidida quanto ao que vale a saúde em detrimento da estética.
Conversa boa, calma e natural como este quadro, exposto na parede do corredor, que me levou para tempos em que os raios que apanhava eram do sol e todo o ano ____ nas praias de Luanda!
Já só faltam 6 tratamentos!

quarta-feira, 27 de julho de 2016

27 de Julho


Já só faltam 7 tratamentos!
Hoje tive consulta de Radioterapia. Está tudo a correr bem. A pele está moreninha mas não tem lesões nem está enrugada.
Ficou marcada nova consulta para o dia 5 de Agosto, o último dia de tratamento.
Hoje, na 2ª sala de espera, estive a falar com uma senhora que está a fazer radioterapia e quimioterapia em simultâneo devido a um cancro do estomago. Já foi operada___teve que retirar o estomago (fez uma gastrectomia total). A conversa andou à volta da roupa. Começou nas camisolas viradas do avesso e acabou em roupa de cerimónia.
Disse que usava calças de ganga desde os meus 10 anos. Portanto há 50 anos. A ganga é a minha cara. Ainda bem que já tinha sido "inventada" quando eu nasci. Em Angola eram chamadas de "blue jeans".
As blues jeans são versáteis, resistentes, confortáveis e para todos os bolsos.
Entretanto chegou outra senhora (com um lenço primorosamente enrolado na cabeça) e a conversa ainda ficou mais animada. As festas vieram à baila____ casamentos, baptizados, aniversários, inaugurações.
Depois falou-se na espera para os tratamentos
A espera torna-se muito mais curta quando socializamos.
Eu disse que o tempo passa depressa. Só numa situação 50 minutos para mim significavam horas: quando ia para alguma aula sem a lição estudada e não queria que a professora me chamasse ao quadro. Passava a vida a olhar para o relógio. Um minuto era interminável. Elas riram-se! E a conversa virou para os tempos de escola. Não tardou fomos chamadas para o "solário".
De sorriso na cara entramos nos vestiários.
Por vezes pessoas minhas amigas e conhecidas perguntam-me: Está bem? Os tratamentos não provocam nada?
Eu respondo: estou lindamente! Os tratamentos estão a dar-me muita força!
Mais um ____ menos um!

terça-feira, 26 de julho de 2016

26 de Julho


Já só faltam 8 tratamentos!
Esta semana vou à noite no meu horário. Dias entro mais cedo, dias entro mais tarde para o "solário". Mas vou sem pressa. Aproveito os momentos de espera para, olhando ao redor da 1ª sala de espera, reflectir no sentido da vida. E ali vejo, diariamente, pessoas que não desistem, que falam no presente mas com confiança num futuro melhor. Claro que existem os casos mais graves que vêm de maca e ficam resguardados numa sala já para lá das portas que dão acesso ao corredor para os consultórios e "solário". Mas felizmente são poucos.
O tempo passa mas devemos fazer com que ele seja rentável. O tempo não espera e quando "acordamos" da letargia que é a rotina do dia a dia fica a pergunta: o que fiz no tempo para que a vida tivesse significado?
Desde há muito que tento fazer render o tempo. Quando andava na faculdade passava cerca de 6h em transportes públicos. Nunca consegui estudar em movimento. Decidi dedicar-me ao crochet e ao tricot. Fiz várias camisolas e casacos em tricot e toalhas em crochet. Na semana passada, em arrumações na minha casa, encontrei o meu material de crochet. Os meus tempos de faculdade vieram-me à memória.
Mais tarde e já em Vizela, tenho feito render o tempo (fora do horário de trabalho) em Associações.
Perante este desafio da vida e em duas salas de espera faço render o tempo ora reflectindo ora fazendo amizade com quem, como eu, tem a doença, o cancro, o malzinho. Um tempo de espera que é bem passado e que é sempre rentável!
Cada vez mais perto do fim e já com saudades. E digo saudades porque os tempos em que passei e passo por grande dificuldade ou infortúnios são os que mais me amadurecem. Como este corredor que me leva ao solário o tempo leva-me para mais perto de mim, ou seja, do meu espirito.
Mais um dia _____ menos um dia!

segunda-feira, 25 de julho de 2016

25 de Julho


Mais um _____ menos um!
Dia após dia vou chegando ao fim dos tratamentos!
Cada dia que passa fico mais enriquecida. Muitas pessoas pensam que riqueza é dinheiro. Enganam-se. Riqueza é o sentimento que une as pessoas. Como o que se passou com a senhora que acabou hoje os tratamentos. Conhecemos-nos desde que os iniciei no dia 21 de Junho.
Estava eu (e mais 3 homens) na 2ª sala de espera e ela passou vinda do "solário".
Entrou na sala e disse:
- Hoje foi o meu último tratamento!
Veio ter comigo, demos um abraço apertado acompanhado de 2 beijos e desejos de melhoras.
A despedida foi efusiva, cheia de alegria e de muita cumplicidade.
Sem dúvida sairei muito mais rica deste etapa da minha vida.
Dedico estas flores que estão na parede do corredor a todos os que passam por esta experiência que tem tanto de dor como de belo.
Já só faltam 9 tratamentos!

domingo, 24 de julho de 2016

Como te contar?

"Como te contar?

Inquieta-me a lucidez de certas horas.
Como te contar? Tudo nelas é perfeito,
e claro, e inabalável ... Até a dor!

A acomodação à realidade
põe-se a subir sorrateira pelo corpo
dos sonhos e dos desejos. Mata-os!

É perigoso viver desarmado
na lucidez das horas.
Quando menos se espera, morre-se!

Quero a minha lanterna sempre acesa,
Entrar com ela no inexprimível sossego
que precede a tempestade;

Escutar o respirar aflito do mundo
entre dois trovões, duas guerras, dois gritos,
separados apenas por um fio;

Um espaço impreciso, o fio, entre o um e o dois,
Espaço a que, só por ignorância,
chamamos silêncio."

Lídia Borges

sexta-feira, 22 de julho de 2016

22 de Julho


Hoje fiz o 20º tratamento.
Mais um ____ menos um!
Fui à tarde na minha hora de intervalo da USF.
Não apanhei muito transito até Braga. De Vizela A Guimarães vou por um caminho que vai dar directamente à rotunda de acesso à A11. Não apanho o trânsito da estrada nacional.
Chegada ao Hospital lá fomos (eu a a maria Ivone) para o Serviço de radioterapia. A 1ª sala de espera tinha 8 pessoas. Entreguei o cartão à Secretária Clinica (não me canso de referir que são um doce) e entrei logo pois estavam a fazer radioterapia à parte mamária.
Fui para a 2ª sala de espera. Aí estavam 3 homens e 1 senhora. A senhora também era tratamento à mama. Vi pela camisola interior.
A conversa gerou-se à volta do hospital onde cada um foi operado. Só 1 é que foi no Hospital de Braga. Os restantes (incluindo eu) foram no Hospital de Guimarães.
Depois foram as peripécias (complicações) dos pós operatórios.
No mesmo dia fui operado 3 vezes. Só à 3ª vez é que fiquei bem. No fim das outras duas fiquei a gritar de dores. Era um problema bicudo - disse um dos homens
Eu fui para ser operado á vesicula e descobriram que tinha um tumor perto do pancreas. Tiveram que me abrir e também tive uma complicação. Foi uma hemorragia. Por pouco vi o outro mundo. Mas aqui estou e penso que vou ficar bom!
O ambiente era como se estivessemos numa esplanada à espera de nos servirem um café.
A naturalidade como se fala na doença, no cancro, no malzinho é própria de quem a encara como mais um desafio na vida.
Não esperei muito para ir ao "solário". Hoje para além da radioterapia foi dia de analisar o tratamento.
Hoje vamos tirar umas fotos - disse o técnico
Olhe, tire-me as rugas com photoshop - respondi
Ele deu uma gargalhada!
Às 15h já estavamos em Vizela com paragem no Teatro dos Sonhos para mais um delicioso lanche: Bolo de bolacha e Sangria de fruta (sem álcool) bem geladinha.
"É verdade que vivemos de urgências mas
o sentido das coisas mora mesmo é na calmaria" _ Fernanda Gaona
Já só faltam 10 tratamentos!

21 de Julho


Já só faltam 11 tratamentos! Hoje fui à noite. De tarde tiveram um atraso.
Vendo o fim dos tratamentos à vista sinto um misto de alivio e de saudades.
Alivio porque, apesar da radioterapia ser um tratamento "leve", as idas ao Hospital de Braga diariamente têm sido um desgaste físico.
Saudades das pessoas que tenho encontrado___ das funcionárias, dos técnicos e principalmente dos e das colegas de "solário"!
Ali partilhamos a nossa doença, compreendemos bem o que sentimos e damos força a quem nos chega de novo cheia de receios.
Hoje na 2ª sala estava uma senhora de 52 anos. Já a conheço desde há cerca de 1 semana. Tem cancro do colo do útero.
- Nunca quis fazer o tal de papanicolau! Tenho Médico de Familia mas tive sempre vergonha. Ia lá advinhar! - disse ela suspirando
- Fez mal! O papanicolau é um rastreio muito importante que detecta o cancro do colo do útero em fase muito inicial.- respondi
- Comecei a ter hemorragias e tive que ir ao Hospital. Já não me deixaram sair. Fiquei internada e fiz exames urgentes. Ainda não fui operada. Estou a fazer a radioterapia e a quimioterapia. Estou cansada.
- Não fique assim. Agora tem de pensar em vencer esta etapa da sua vida. Concerteza já teve etapas duras na vida que já passsaram. Esta também vai passar.
- Realmente a senhora é muito positiva. Está sempre sorridente.
- É o que tem de começar a fazer. Sorrindo as dores ficam mais leves!
Fomos chamadas para os vestiários e de seguida para o "solário".
À saída passei por outra sala de espera e vi esta linda foto!
Para lá desta frágil ponte existe um horizonte à nossa espera!
Mais um ___ menos um!

quarta-feira, 20 de julho de 2016

20 de Julho


Mais um ___ menos um.
Tornei a ir mais cedo hoje mas a meu pedido. Tenho reunião do Rotary Club de Vizela.
Chegamos ao Hospital de Braga cerca das 16h e 45m. Na 1ª sala de espera estavam 5 pessoas. Entreguei o cartão à Secretária Clinica (já vos disse que são um doce: sorridentes, amáveis e muito carinhosas). Ela pediu para aguardar um pouco.
Enquanto esperei olhei para os pacientes (nota-se bem quem são os pacientes e quem são os acompanhantes). Reparei numa senhora com ar mais tristonho. Não estava acompanhada e já teria feito o tratamento. Estava à espera do transporte (ambulância de grupo). Notei que carregava sozinha o peso da doença, do cancro do malzinho. Nem todas as pessoas têm sorte de ter familiares e amigos para nos apoiarem nestas ocasiões. Eu sou uma sortuda. Vou sempre acompanhada__ ora pela Goreti... ora pela Maria Ivone ...e quando cá estão pelo meu irmão e cunhada e agora pela minha filha Sano.
Na fase de exames e no dia de internamento tive o apoio da Alzira e da Drª Lucinda. No internamento e já em casa tive o apoio do meu irmão e cunhada e da Goreti e família. Sou uma sortuda porque não existe riqueza melhor que Família e Amigos verdadeiros.
Na 2ª sala de espera só estava uma senhora com um lenço tradicional do Minho na cabeça. Robusta___via-se que trabalhou no duro no campo.
Foi a primeira vez que a vi. Meteu logo conversa: que estava a fazer os tratamentos do rádio há pouco tempo. Já tinha feito a quimio e como usou sempre lenço para se proteger do sol quando ainda trabalhava no campo ninguém reparou que o cabelo caiu.
- Bem queria trabalhar no campo, mas estou proibida - disse ela
- Tem de ter cuidado pois não pode apanhar muito sol.- respondi
- Raisparta o maldito que me apareceu e tinha que ter raízes debaixo do braço! E o campo à minha espera e eu sem poder fazer nada!
- Tenha calma, vai chegar o dia em que irá novamente trabalhar no seu campo.
- Sabe, mina senhora, eu sou muito frenética - disse sorrindo
- Já somos duas - respondi também a sorrir
Fomos chamadas para os vestiários.
Enquanto esperei a entrada para o solário reparei nas luzes que acendem quando alguém está lá dentro a levar com uma carga de raios.
A porta é de chumbo e mais grossa que de uma caixa forte e aquelas luzes a indicar perigo___ pensei: "Mau era que a doença, o cancro e o malzinho não saia daqui aniquilada!" 😃
Já só faltam 12 tratamentos!

* Já em Vizela não faltou um lanchinho delicioso no Teatro dos Sonhos. Obrigada meu Amigo por nos ter pago o lanche. 😃

terça-feira, 19 de julho de 2016

19 de Julho


Já só faltam 13 tratamentos.
Hoje tive, novamente, um telefonema da Secretária Clinica do Serviço de Radioterapia para ir mais cedo. Já estava a contar e por isso já fui prevenida com a saquinha onde levo uma garrafa de água e o creme para aplicar logo de seguida ao tratamento.
Na 1ª sala de espera estavam 3 pessoas. Depois dos cumprimentos entreguei o cartão à Secretária Clinica. Nem me deixou sentar. Entrei logo para a 2ª sala de espera. Lá estava uma senhora. Foi a primeira vez que a vi.
Pela camisola interior virada do avesso vi que o tratamento seria à mama.
Perguntei-lhe à quanto tempo tinha iniciado a ida ao "solário".
Admirada disse: Solário? É radioterapia!
- Solário é o nome que lhe dou pois vamos ficar "morenas" mas só de um lado.
Ela deu uma gargalhada e disse: está bem apanhada essa do "solário". Iniciei o "solário" (piscando o olho) na 5ª feira passada. Este é o 5º tratamento.
- Pois eu comecei "ontem" e com este já me faltarão 13 tratamentos.
Ela riu-se dizendo: pelo que percebo o tempo vai passar depressa! A senhora leva isto na brincadeira.
- Faça o mesmo e verá que vai ser rápido.
Fomos chamadas para os vestiários e depois "solário".
Prazer em conhecê-la - disse-lhe
Também sinto o mesmo- respondeu
Antes de sair da sala tirei a fotografia a uma das paredes.
Uma folha com uma gota de água. Natureza e água símbolos de vida!
Mais um dia___ menos um dia.
Já só faltam 13 tratamentos.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

18 de Julho


Hoje Secretária clinica do serviço de Radioterapia ligou-me cerca das 17h a solicitar que fosse mais cedo ao tratamento.
Eram 18h e 45m quando saí de Vizela com a minha filha Sano Ogawa. Chegamos ao Hospital de Braga cerca das 19h e 40m.
A 1ª sala de espera tinha 3 pessoas. Não as conhecia.
Ao entregar o cartão à Secretária clinica ela disse-me: os bolinhois deram até ao último paciente. Todos gostaram.
Eu respondi: É bom e não entala! 😃
Pouco esperei. Fui chamada para a 2ª sala de espera. Lá estavam 3 homens e 1 senhora.
A senhora já a tenho visto por lá. Por vezes coincidimos nas horas___ ou quando vou mais cedo ou quando ela vai mais tarde.
Ela perguntou: Foi a senhora que trouxe aquele bolo delicioso no sábado?
-Fui. Gostou? É Bolinhol e é tipico de Vizela.
-Muito bom. Nunca tinha provado nada parecido. Um dia hei-de ir a Vizela comprar, aproveito e dou um passeio.
-Faça isso. Vizela também tem bons restaurantes, tem o Santuário de S. Bento, o Parque natural das Termas. Não se vai arrepender.
Nao tardou fomos as duas chamadas para o "solário".
Quando foi a minha vez de entrar cruzei-me com um senhor de Vizela que já não via há muito tempo. O meu filho foi colega do seu filho nos tempos de criança. Os cumprimentos foram efusivos.
Um dos Técnicos sorrindo disse: aqui encontra muitas pessoas conhecidas.
-Umas são de longa data, outras são amizades feitas neste local e desde que iniciei o tratamento. - respondi a sorrir.
À saída não resisti (e porque está na berra)____ agarrei o telémovel e disse:
- Encontrei um pokemon lá dentro! (Risota geral)
Não encontrei nenhum pokemon mas sim estas lindas flores.
Mais um dia___ menos um dia!
Já só faltam 14 tratamentos.

sábado, 16 de julho de 2016

16 de Julho


Hoje, excepcionalmente fui ao tratamento. Possivelmente no próximo sábado também. Com a avaria do aparelho os utentes são em maior número. Aquela máquina tem de ser mesmo uma "máquina" para tratar tantas pessoas por dia.
Como prometido levei "farnel" para o pic-nic. Ou melhor, levei uma sobremesa ___ Bolinhol!
Já os levei fatiados de casa e levei uns garfos de plástico e guardanapos.
A 1ª sala de espera não tinha muitas pessoas. Estavam as pessoas que costumo encontrar na hora habitual nos dias úteis da semana. Cumprimentei e disse: sobremeeesaaaaa. Perante o espanto da funcionária coloquei os Bolinhois, os garfos e os guardanapos em cima do balcão.
As minhas colegas e meus colegas de "solário" rindo aproximaram-se e foram tirando as fatias e comendo. Quem bom, que delicia, rica sobremesa ___ diziam entre cada dentada!
Uma disse-me: levou mesmo a sério a história do pic-nic!
Sorri e respondi: não brinco em serviço! 😃
Conforme iam chegando ou saindo do tratamento o Bolinhol foi adoçando a vida de todos.
O 3º Bolinhol foi para todos os funcionários que estavam e estarão a trabalhar até cerca das 1h da madrugada.
Mais um dia ____ menos um dia.
Já só faltam 15 tratamentos!

sexta-feira, 15 de julho de 2016

15 de Julho


Hoje fui mais cedo para o tratamento.
Ligaram-me às 17h a saber se podia ir a essa hora. Mas como estava a trabalhar e até às 20h fiquei de lá estar até às 21h e 15m.
Saí da USF fui até casa, lavei-me e engoli o jantarinho. Acompanhada da minha filha Sano desloquei-me para mais um tratamento. Chegamos à hora prevista. Na 1ª sala de espera estavam 3 pessoas para o "solário" e outras tantas como acompanhantes. Entreguei o cartão e entrei de seguida para a 2ª sala de espera. Lá encontrei-me com a senhora dos vómitos. Ela teve de parar os tratamentos por ter as plaquetas baixas. Já não a via há mais de 8 dias. Está mais animada, sem aquele ar carregado de sofrimento psíquico. Ela é emigrante e o marido é francês. Disse que optou por se tratar em Portugal com a ideia fixa que se morresse já ficaria na sua terra. Disse-lhe que existem doenças bem piores e que a morte faz parte da vida com todas as suas incertezas.
O importante é viver sem sofrimentos antecipados. Os sofrimentos antecipados coartam a capacidade da pessoa viver o presente. Ela sorriu e confessou que teve maus pensamnetos mas conforme os dias passavam e constatava que não era a única com problemas aceitou a doença e resolveu esforçar-se pensar no dia a dia. Um dia de cada vez!
Fomos chamadas para os vestiários. Enquanto esperei olhei para a porta que nos leva ao "solário" e pensei:
- abençoados Roentgen que descobriu os raios X em 1895 e Marie e Pierre Curie pela descoberta do rádio em 1898.
- abençoados os profissionais que estão ali até tão tarde e com uma simpatia deliciosa
- abençoada que sou por estar ali com esperança.
Mais um dia _____ menos um dia! Já só faltam 16 tratamentos.

quinta-feira, 14 de julho de 2016

14 de Julho


Mais uma caminhada para Braga. Mas hoje foi diferente. Para além da Goreti tive a companhia da minha filha Sano que chegou hoje para passar férias.
Ela gostou muito da arquitetura do Hospital de Braga.
Na 1ª sala de espera já estavam bastantes pessoas. O serviço tem andado atrasado desde a avaria no aparelho. O facto que alguns doentes já deveriam ter acabado os tratamentos e outros que iniciaram esta semana originou o aumento do número de pacientes.
Nessa sala reencontrei um senhor que já não via há cerca de 20 anos. A cara não me era estranha mas há 20 anos ele teria 21/22 anos e não sou boa em fisionomias. Lá falamos dos tempos passados em que devido à sua profissão (Delegado de Informação Médica) nos encontravamos no Centro de Saúde de Moreira de Cónegos. A mulher é que está a fazer tratamento. Jovem, muito bonita e hoje pela 1ª vez vi-a sem a peruca. Como fica bela com o seu cabelo curtinho. Disse-lhe isso mesmo. Ela concordou e disse que possivelmente iria optar por andar com o cabelo curto (teve-o sempre comprido). Como já disse, tal como num ballet clássico carregado de drama mas belo, aquele espaço emana uma beleza que não tem palavras. A beleza da alma expõe-se através de um corpo, outrora venerado, cheio de simplicidade. Até os lenços e os vários modos de o colocarem são belos.
Na 2ª sala de espera para além das pessoas habituais estava uma senhora com cerca de 40 anos. Era o seu 1ª tratamento e fez mastectomia. Falamos do atraso no serviço, reforçamos o "pic-nic" para sábado à noite e ela acabou por entrar na brincadeira.
O meu tratamneto acabou às 23h e 35m. À saída disse: já não chego a casa hoje e por pouco seria até logo. Até amanhã. Fiquem bem!
Rindo as pessoas despediram-se: até amanhã! As melhoras.
Já só faltam 17 tratamentos.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

13 de Julho


Hoje foi uma noitada.
Como tive consulta e tratamento fui mais cedo. Chegamos a Braga às 8h e 50m. Saímos de Braga às 23h e 10m.
A 1ª sala de espera foi enchendo pois as consultas estavam atrasadas. Ninguém diria que as pessoas que estavam para tratamento são doentes oncológicas. A disposição tem vindo a melhorar conforme o tratamento avança. Muitas já passaram pelos piores processos: mastectomia e/ou quimioterapia. A conversa, em baixo tom, estava animada.
Depois de uma longa espera fui chamada para a 2ª sala de espera. Ao todo fomos 6 (5 mulheres e 1 homem). Na 2ª sala de espera o tema da conversa foi o raio das camisolas interiores viradas do avesso que são um estorvo para quem quer usar um decotezinho.
A "doença, cancro, malzinho" está a ficar para 2º plano.
Uma das pacientes já é repetente, ou seja, tem uma metástase na coluna. Mas não se deixou abater.
Ficamos a saber pelos técnicos que sábado vamos ter tratamento para compensar os 4 dias de avaria do aparelho. Gerou-se um burburinho e combinamos levar farnel para fazer um "pic-nic" junto à árvore que está no grande corredor que dá para o serviço de Radioterapia. Gostaria de saber o seu nome. É muito bonita.
Já só faltam 18 tratamentos.