domingo, 31 de julho de 2016

Amanhã, peço o novo dia que virá!

"Amanhã, vou acender uma vela na Muxima
Amanhã, levo para os meus santos flores de acácias
Amanhã, peço para toda gente que me estima
Amanhã, peço para o novo dia que virá (amanhã)"

https://youtu.be/S8JdYfaUBZo

Posso afirmar que não sinto saudades de Luanda___ quando digo "saudades aiuê" era dos tempos em que lá vivi. De Luanda o sentimento é outro____ é de filha para mãe. Sou filha de Angola, não há volta a dar. E sinto falta desta mãe, a mãe natureza! Não somos só um corpo quando nascemos. Nós somos a terra. Nasci em Lisboa mas fui criada por Angola fazendo parte de tudo o que a envolvia: a natureza, o ar, o mar, a terra vermelha, as lendas e contos, o som dos batuques, as chuvadas tempestuosas (como gostava delas), a liberdade, o sol, o cheiro a terra molhada, o singelo. Sou, simplemente, a Kinina.
Por isso não sinto saudades de Angola. Sinto falta da Terra Mãe que me vai chamando___ chamando____chamando!
Amanhã, peço para o novo dia que virá!