quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Desafio aceite


Desafio aceite!
O desafio a favor da luta contra o cancro. Aderi, até porque tenho uma doença oncológica.
Mas a principal luta contra o cancro é evitá-lo ou apanhá-lo ainda numa fase inicial.
Como já referi noutra publicação, sou uma desleixada quanto à minha saúde.
Já abençoei os malditos (benditos) "indicadores" que por um lado nos condiciona e faz-nos perder tempo a olhar para o computador e fazer cliques atrás de cliques mas por outro é ao cumprirmos esses mesmos indicadores que prevenimos, rastreamos e tratamos as doenças.
E assim aconteceu comigo: fui em Abril à consulta para cumprir indicadores e após os exames detectou-se a doença, o malzinho, o cancro para além de outras mazelitas próprias de quem vai pr'à idade!
Sei que os ditos indicadores irão infernizar quem é médico(a) ou enfermeiro(a) e que gosta do contacto com o doente, de o escutar, de o aconselhar. Acreditem que na minha consulta falamos de tudo: do que o levou lá, da sua vida profissional, familiar, de futebois, das noticias, do presente, do passado e do futuro incerto. Quando se trata de mulheres aí a conversa vai parar quase sempre ao marido. Muitas vezes elas vão à consulta para se queixarem por eles.
Voltando à doença, ao malzinho, ao cancro___ passados mais de 3 meses da cirurgia, os 30 dias de tratamento de radioterapia onde no meio de sofrimento consegui momentos de alegria, consegui ultrapassar estas fases. Outras virão pois a vigilância é mais apertada durante 5 anos.
Mas depois de entrar nesta minha guerra ou luta abençoarei sempre os ditos "indicadores" mesmo pensando que são em demasia.
Aqui deixo, com nostalgia, uma recordação das minhas idas ao "solário": o vestiário onde pendurava a camisola exterior, o saco com a garrafa de água e o frasco de creme para aplicar na pele logo a seguir ao tratamento. Também temos que prevenir os efeitos secundários dos tratamentos.