segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Meu querido filho _________



"O Destino desconhece a linha recta."

José Saramago

Meu querido filho,

O tempo vai passando como uma brisa e a seu lado a saudade vai esvoaçando no meu peito.
Mais um mês sem ti. Mais um mês ___ e já são tantos, mas o dia em que partiste persiste no presente.
No sábado falei sobre esse dia ____ num colóquio sobre a morte. Esse dia foi partilhado com várias pessoas. Como soube do acidente, a GNR à porta de casa, o caminho até ao Posto de GNR de Lordelo, os telefonemas para o teu telemóvel ___ já não podias atender, o telefonema para o hospital ____ a certeza que tinhas partido quando esta frase foi dita pela funcionária da urgência: "o seu filho não deu entrada pela urgência!". A certeza da tua partida que me foi confirmada pelo agente da GNR enquanto me entregava a tua carteira e o teu telemóvel.
Os telefonemas para a tua irmã _____ ainda hoje ouço os seus gritos, para o teu tio Tozé ____ como estava com a tua avó não se pode expressar muito mas percebi que ficou transtornado.
A chegada ao hospital para te ver, nos despedirmos, cantar-te pela última vez "Uma gaivota voava, voava".
Ao falar sobre esse dia e os dias, meses e anos seguintes sem ti foi ter-te a meu lado. Estava ali para falar do meu luto. Mas sei o quanto gostavas de me ver feliz e por isso vivo cada dia sorrindo (com lágrimas que inundam o meu coração) e agradecendo por seres meu filho.
Meu querido filho tenho o teu nascimento e a tua morte na minha vida _____ e tão importante como o teu nascimento, foi o percurso que fizeste. Obrigada meu filho por teres uma história de vida valiosa! Amo-te! ❤