terça-feira, 27 de junho de 2017

Parabéns meu filho!


"Nasceu-te um Filho

Nasceu-te um filho. Não conhecerás,
jamais, a extrema solidão da vida.
Se a não chegaste a conhecer, se a vida
ta não mostrou - já não conhecerás

a dor terrível de a saber escondida
até no puro amor. E esquecerás,
se alguma vez adivinhaste a paz
traiçoeira de estar só, a pressentida,

leve e distante imagem que ilumina
uma paisagem mais distante ainda.
Já nenhum astro te será fatal.

E quando a Sorte julgue que domina,
ou mesmo a Morte, se a alegria finda
- ri-te de ambas, que um filho é imortal."

Jorge de Sena

Meu querido filho,

Faz hoje 33 anos que nasceste.
És um dos Presentes que Deus me deu. O outro é a tua irmã Ana Rita/Sano Ogawa
Lembro-me tão bem do dia que chegaste e trouxeste contigo o "puro amor".
Já com 42 semanas fui internada no dia 26 de Junho mas fui passar a noite a casa. A indução do parto só seria no dia seguinte. Apesar de sentir umas contracções não tinha dores.
No dia 27 de Junho, logo pela manhã, fui para o Hospital de Santa Maria (em Lisboa). Fui para o Bloco de partos. Lá me induziram o parto mas as dores nada de aparecerem. Até que uma das minhas colegas decidiu perfurar a bolsa amniótica. A partir daí a dilatação iniciou e as dores vieram com intensidade crescente.
Iniciei a respiração apropriada e assim controlei as dores.
A meu lado estava uma senhora que não parava de berrar: "ai os meus rinzes, ai os meus rinzes". Disse-lhe para fazer a respiração como eu mas quê? Foi berreiro todo o tempo que estive no quarto.
Entretanto tive a visita da minha colega Helena Serra e ela vendo o cenário: eu a respirar, ora ofegante, ora mais lentamente e a minha vizinha aos berros, disse-me:
- Nunca irei ter filhos! Isso dói muito!
- Não dói assim tanto, basta controlarmos a dor. - respondi.
Mas ela não ficou convencida e realmente não veio a ter filhos.
A certa altura iniciaram as contracções mais fortes com aquela vontade de "puxar". Chamei a senhora enfermeira e fui transferida para uma das salas de parto. Mas quê! Puseste todos a suar. Encravaste pelo caminho da saída. Umas das Enfermeiras lá te ajudou a nascer mas, devido ao facto de teres feito aspiração de secreções, levantaram-te para o Serviço de Alto Risco da Neonatologia.
E eu que te queria nos meus braços. Só passadas 12h é que pude ir ao serviço onde estavas, regalado, a dormir.
Foste um bebé calmo enquanto dormias, comias e estavas ao colinho. Fora disso choravas pois querias ver tudo.
Cresceste e o teu caminho foi sempre da rectidão, da humildade, da educação, do empenho e profissionalismo.
Um caminho que ficou incompleto pois tinhas projectos em mãos e não tiveste tempo de os concretizar.
Aqui estás no Estádio do nosso Clube, do nosso Glorioso Sport Lisboa e Benfica. Foi a 1ª vez que fui ao futebol convosco. Foi a 1ª vez que fui ver um jogo do Glorioso. Foi em Agosto de 2006 ___ Benfica - Viena de Áustria. Ganhamos! Mas fui proibida de ir a outro jogo convosco ____ fiz a figura de quem nada percebe de regras de futebol. Foi um dia espectacular entre muitos outros dias espectaculares que partilhamos.

"Nasceu-me um filho. Não conhecerei,
jamais, a extrema solidão da vida."

Sei que estás sempre comigo como eu te trago sempre no meu coração e pensamento. És imortal.

"E quando a Sorte julgue que domina,
ou mesmo a Morte, se a alegria finda
- ri-te de ambas, que um filho é imortal."

Parabéns meu filho pelo aniversário do teu nascimento. Obrigada por ser tua mãe meu amor! 💖

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Meu filho Nuno



Foi há 33 anos que Deus te enviou para seres meu filho e foi há 5 anos que Deus te levou para junto d'Ele.
O tempo percorre a rua das nossas memórias.
E são tantas memórias: doces, divertidas, angustiadas, cheias de amor por ti.
Mas as memórias nunca estão sós.
Elas andam entrelaçadas às saudades.
Saudades da tua presença, do teu olhar, do teu sorriso, do teu abraço.
Assim te vejo: a flutuar na imensidão do infinito com teu sorriso lindo.
Adoro-te meu filho!

Dia 17 de Junho às 18h celebrar-se-á a Missa do 33º Aniversário de nascimento e do 5º Aniversário de falecimento do meu filho Nuno Gonçalo Castro Plácido Salta, na Igreja de S. João em Vizela.

domingo, 4 de junho de 2017

Eu sou o que penso __________



Navego, firmemente, a nau das minhas opiniões.
Seguro a vela do meu pensamento,
nos mares revoltos das opiniões alheias,
até a tempestade ser levada pelo vento!

MRS