terça-feira, 27 de junho de 2017

Parabéns meu filho!


"Nasceu-te um Filho

Nasceu-te um filho. Não conhecerás,
jamais, a extrema solidão da vida.
Se a não chegaste a conhecer, se a vida
ta não mostrou - já não conhecerás

a dor terrível de a saber escondida
até no puro amor. E esquecerás,
se alguma vez adivinhaste a paz
traiçoeira de estar só, a pressentida,

leve e distante imagem que ilumina
uma paisagem mais distante ainda.
Já nenhum astro te será fatal.

E quando a Sorte julgue que domina,
ou mesmo a Morte, se a alegria finda
- ri-te de ambas, que um filho é imortal."

Jorge de Sena

Meu querido filho,

Faz hoje 33 anos que nasceste.
És um dos Presentes que Deus me deu. O outro é a tua irmã Ana Rita/Sano Ogawa
Lembro-me tão bem do dia que chegaste e trouxeste contigo o "puro amor".
Já com 42 semanas fui internada no dia 26 de Junho mas fui passar a noite a casa. A indução do parto só seria no dia seguinte. Apesar de sentir umas contracções não tinha dores.
No dia 27 de Junho, logo pela manhã, fui para o Hospital de Santa Maria (em Lisboa). Fui para o Bloco de partos. Lá me induziram o parto mas as dores nada de aparecerem. Até que uma das minhas colegas decidiu perfurar a bolsa amniótica. A partir daí a dilatação iniciou e as dores vieram com intensidade crescente.
Iniciei a respiração apropriada e assim controlei as dores.
A meu lado estava uma senhora que não parava de berrar: "ai os meus rinzes, ai os meus rinzes". Disse-lhe para fazer a respiração como eu mas quê? Foi berreiro todo o tempo que estive no quarto.
Entretanto tive a visita da minha colega Helena Serra e ela vendo o cenário: eu a respirar, ora ofegante, ora mais lentamente e a minha vizinha aos berros, disse-me:
- Nunca irei ter filhos! Isso dói muito!
- Não dói assim tanto, basta controlarmos a dor. - respondi.
Mas ela não ficou convencida e realmente não veio a ter filhos.
A certa altura iniciaram as contracções mais fortes com aquela vontade de "puxar". Chamei a senhora enfermeira e fui transferida para uma das salas de parto. Mas quê! Puseste todos a suar. Encravaste pelo caminho da saída. Umas das Enfermeiras lá te ajudou a nascer mas, devido ao facto de teres feito aspiração de secreções, levantaram-te para o Serviço de Alto Risco da Neonatologia.
E eu que te queria nos meus braços. Só passadas 12h é que pude ir ao serviço onde estavas, regalado, a dormir.
Foste um bebé calmo enquanto dormias, comias e estavas ao colinho. Fora disso choravas pois querias ver tudo.
Cresceste e o teu caminho foi sempre da rectidão, da humildade, da educação, do empenho e profissionalismo.
Um caminho que ficou incompleto pois tinhas projectos em mãos e não tiveste tempo de os concretizar.
Aqui estás no Estádio do nosso Clube, do nosso Glorioso Sport Lisboa e Benfica. Foi a 1ª vez que fui ao futebol convosco. Foi a 1ª vez que fui ver um jogo do Glorioso. Foi em Agosto de 2006 ___ Benfica - Viena de Áustria. Ganhamos! Mas fui proibida de ir a outro jogo convosco ____ fiz a figura de quem nada percebe de regras de futebol. Foi um dia espectacular entre muitos outros dias espectaculares que partilhamos.

"Nasceu-me um filho. Não conhecerei,
jamais, a extrema solidão da vida."

Sei que estás sempre comigo como eu te trago sempre no meu coração e pensamento. És imortal.

"E quando a Sorte julgue que domina,
ou mesmo a Morte, se a alegria finda
- ri-te de ambas, que um filho é imortal."

Parabéns meu filho pelo aniversário do teu nascimento. Obrigada por ser tua mãe meu amor! 💖