domingo, 16 de julho de 2017

Meu querido filho _________




Aguardando o tempo da viagem,
quero ver
o brilho das estrelas,
quero ver
o sol a acordar o mundo,
quero ver
o mar dançar
e que a sua dança
acalme e lave as minhas mágoas.
Quero que o tempo me esqueça.

Meu querido filho,


Já sabes que a Beatriz nasceu. Quis ver o mundo antes do tempo mas não induziram o parto, nasceu uns dias tarde, mais precisamente no dia 30 de Junho e na sua hora. Temos uma hora para nascer e uma para morrer ____ e a tua hora de morrer chegou muito cedo, muito cedo. Tinhas tanto para dar ao mundo, às pessoas e à ciência. Mas Deus chamou-te naquele dia e naquela hora como enviou a Beatriz no dia e na hora certa.
Lembras-te quando nasceu a tua primita Carolina? Foi há 5 anos, ainda não tinhas partido. Foi um dia especial com a tua avó Bia ansiosa para ser bisavó, a minha primeira sobrinha-neta e vossa primita. A sala de espera do Hospital da Luz estava em festa.
Um dia em que tudo parecia perfeito nas nossas vidas. Mas a vida é tramada e tramou-nos!
Tudo mudou e parte de mim partiu contigo nesse dia fatídico. A minha essência continua, mas a minha perspectiva sobre a vida mudou.
Não posso nem devo ir por caminhos que me possam magoar. Já não tenho aquela couraça forte que ultrapassou tantas adversidades. Ainda consigo ultrapassar algumas adversidades, como o que aconteceu com o meu cancro. Mas a tua ausência física, com todas as tuas qualidades como filho, debilita-me dia após dia.
Eu sei que me queres ver feliz mas o máximo que consigo é ter momentos de pequenas alegrias. Já me vão ajudando no resto da minha caminhada.
No dia que nos encontrarmos dar-te-ei o beijo, carregado de saudades, que naquela manhã (porque saíste cedo) não te dei.
Adoro-te meu filho.