domingo, 16 de dezembro de 2018

Meu querido filho ______



Meu querido filho,

Mais um mês se passou! No total 6 anos e 6 meses. O tempo passa mas tu estás bem presente em mim.
Todo o teu caminho desde que nasceste até ao dia que Deus te veio buscar, lá naquela estrada, está guardado no meu coração. Lá naquela estrada. Na estrada que estava destinado passares por um pedido de véspera à noite. Ires ajudar ao último jogo de futebol do INESC Porto.
A tua vida foi curta mas rica.
Falta pouco para juntarmos a família. A tua irmã Sano Ogawa vem do Japão. E irei ter com ela e com os tios e primos. Tu e teus avós estarão connosco. Sempre.
Aqui estás na casa dos avós no dia de Natal. Com o teu sorriso lindo!
Amo-te meu filho! 



domingo, 9 de dezembro de 2018

sábado, 8 de dezembro de 2018

Cada porta, uma escolha ___________



Cada porta, uma escolha. Muitas vão abrir-se para um nada ou para algum absurdo. Outras, para um jardim de promessas. Alguma para a noite além da cerca. Hora de reavaliar: reavaliar-se.
Lya Luft

Nada acontece por acaso. Tudo tem um propósito.
Mesmo quando escolhemos abrir uma porta e não outra. As nossas escolhas terão consequências. Boas, menos boas ou más!
Muitas vezes a vida faz-nos atravessar portas sem opção de escolha. Podemos enfrentar um jardim de promessas ou uma noite escura.
Ontem uma pessoa amiga disse-me: já passou por muitas dificuldades. Não merecia o que lhe aconteceu (referia-se à morte de meu filho).
A vida é implacável e simultaneamente é uma dádiva. A vida não nos tem de agradecer ou agraciar.
Como poderia revoltar-me contra a abertura de uma porta que me tenha levado à dor ou à desilusão enquanto milhões de pessoas vivem em condições sub-humanas e com sofrimento atroz?
As portas continuarão a abrir-se: umas por minha escolha outras por escolha da vida. Então terei a oportunidade de fazer a escolha mais importante: Viver ou lamentar-me! Decididamente escolho Viver!


quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Livros e memória ___________



A memória é muito importante. Nós somos o conjunto de vivências que hoje se tornaram memórias. Não podemos mudar o passado, mas a nossa memória pode, hoje, ajudar a construir o nosso futuro. A memória serve para nos alertar. A memória é determinante para as decisões que temos de tomar hoje. Para os caminhos que decidirmos seguir.
Os livros são memórias de quem os escreve. E de quem os lê. E marcam-nos. Uns mais que outros.
Os livros estão sempre presentes para os consultarmos. Para aprendermos. Para recordar. Para os relermos quando sentirmos que necessitamos de viajar a locais, no tempo, que nos foram gratificantes.
O livro é mágico e paciente. Como a nossa memória.
Desde muito nova que iniciei a leitura. De livros ____ grandes obras de autores portugueses e mais tarde ingleses. Meu pai tratou de me mostrar esse mundo inesgotável de conhecimento que me enche a memória. Não podia deixar de o fazer com os meus filhos. Mostrar-lhes o mundo através das páginas dos livros. Para crescerem. Para encherem a memória de conhecimento.

domingo, 2 de dezembro de 2018

O meu cantinho do Natal ___________



O meu cantinho do Natal!
Não, não vou decorar nenhum pinheirinho.
Não vou iluminar a casa com luzes coloridas. Nem sequer enfeites próprios desta época.
Reporto-me ao Natal da minha infância e sinto, com nostalgia, o espírito do Natal.
Não havia pinheirinho. Havia o presépio. Nada de luzes, nem enfeites.
Os sapatos ficavam à espera do Menino Jesus. Ansiosos. Como eu. Será que eu tinha sido boa para com os outros?
Na véspera o jantar cheirava a comida caseira feita com muito amor pela minha mãe.
Ia cedo para a cama. Afinal o Natal era no dia seguinte.
Logo pela manhã ia espreitar o meu sapato. E lá estava o presente desejado. Uma barrinha de chocolate da Regina.
Enquanto comia o chocolate agradecia ao Menino Jesus por ter um Natal. Pedia para continuar a ser boa para com os outros. E para continuar a ter um Natal. E para que todas as crianças tivessem um Natal.
Com a chegada da hora do almoço lá vinha o cheirinho a comida caseira. O cheirinho a rabanadas, a filhoses, ao bolo-rei.
Tanto amor naquela refeição. Sim, a refeição sabia a amor.
Com o passar dos anos o Pai Natal substituiu o Menino Jesus, os presentes, cada vez mais sofisticados, substituíram a barrinha de chocolate Regina, a árvore substituiu o sapatinho. Mas guardei sempre o pedido ao Menino Jesus e o amor que a minha mãe colocava em tudo que fazia para as refeições natalícias.
Passei ao meus filhos o verdadeiro significado da Natal: o amor, o carinho, a amizade e a solidariedade que distribuímos durante o ano.
O meu canto de Natal: a família e o presépio.
Feliz época de Natal para todos.
Que a luz que nos ilumina venha do Menino Jesus. 💝

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

terça-feira, 27 de novembro de 2018

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

82ª Vizela nos Pés



O grupo está a aumentar! 💪🚶‍♀️🚶‍♀️🏃‍♂️🏃‍♂️🏃‍♀️

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Cabelos brancos ______________



Na beleza dos cabelos brancos
com fios de prata a decorar
a vida conduz-me dia a dia.
Não me canso de os admirar.

MRS

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Ora!!


segunda-feira, 19 de novembro de 2018

81º Vizela nos Pés



O grupo está de semana para semana a aumentar. Bons momentos de exercício e convívio.



sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Meu querido filho ______________


*Não sabia o que é felicidade até ter os meus filhos. Não conhecia a dor até perder o meu filho.

Meu querido filho,

O dia em que partiste amanheceu nublado e aquela chuva miudinha ainda não parou. As suas gotas são a minha dor.
Esse dia, num Junho outonal, permanece intacto na minha mente. Tal como o dia do teu nascimento. Um de tristeza profunda e eterna. Outro de felicidade infinita.
Mais um mês se passou. Mais um mês sem ti.
As saudades não passam. São espinhos latentes no meu espírito.
Falo de ti e falo contigo como se estivesses ao meu lado. E estás ao meu lado.
Não foste o meu filho. És o meu filho. Serás o meu filho.
Adoro-te meu menino. 

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Vindima de cada sonho _______




"O que é bonito neste mundo e anima é ver que, na vindima de cada sonho, fica a cepa a sonhar outra aventura. E que a doçura que não se prova, se transfigura noutra doçura muito mais pura e muito mais nova."

Miguel Torga

Durante uma conversa com uma pessoa amiga ela referiu-se à morte do meu filho: "Não sei como aguenta. Não sei como consegue trabalhar. Nem quero pensar se fosse comigo... se fosse o meu filho. Nem é bom pensar. E ainda o cancro. Nem é bom pensar!"

Eu não aguento! Estes mais de 6 anos estão aqui presos! Só saem por momentos ____ para falar do meu filho, para dar liberdade às lágrimas que me sufocam, para querer morrer. São momentos que ficam abafados pela minha vida agitada ____ o trabalho, o voluntariado, os momentos de convívio, os momentos com a minha Princesa do Sol Nascente Sano Ogawa, família e amigos.
Este fim de semana tive momentos de convívio: o Lanchinho Rosa e o jantar solidário da ReFood Guimarães. Dois bons momentos.
Todos os momentos que tenho no trabalho, nas associações, de convívio nas caminhadas, nos eventos, com colegas de cancro, com a minha Princesa do Sol Nascente Sano Ogawa, a família e amigos são o meu suporte. Sem estes momentos já não existia. Eu não aguento! Todos esses momentos é que me fazem aguentar.
Sou abençoada por todos eles. Agradeço todos os dias por ter motivos para viver.



terça-feira, 13 de novembro de 2018

A criança _______________



"A criança quer saber.
A curiosidade é um instinto natural.
É pois necessário abrir uma janela por onde entre a luz que ilumina e não o relâmpago que cega.
A criança ensaia os primeiros passos na estrada da vida...
Abram-lhe uma janela por onde entre a brisa e não o vento tempestuoso que derruba o mastro e destroça as velas.
A criança abre os olhos extasiada pela Primavera...
Deixai que ela se debruce, mas não tanto que caia...
Consenti que ela olhe para fora, mas impedi que os olhos curiosos a devassem e que as mãos criminosas a estrangulem...
A criança é a planta tenra carecida de apoio.
Não a abandoneis para que não rasteje; não a forceis tanto que parta.
Nunca façamos da criança um autómato ou ser amorfo.
Amparemos os seus passos, guiemos o seu destino, evitemos os obstáculos e os abismos, demos-lhe uma personalidade, que embora moldada pela nossa seja sua."

"A CRIANÇA, um mundo a descobrir" de Ilda Pinto Ribeiro (Poetisa), in Noticias de Vizela de 2/10/2008


segunda-feira, 12 de novembro de 2018

domingo, 11 de novembro de 2018

Lanchinho Rosa ___________



Lanchinho Rosa em S. Tirso 🎗️
Momentos de convívio entre mulheres guerreiras que não deixam nunca de lutar. Foi bom, muito bom! 💕
Temos cancro mas não somos o cancro.

"O importante não é vencer todos os dias mas nunca desistir de lutar"